As Surpresas de Sergipe

Hoje estou aqui para te convidar para me acompanhar nessa jornada por Sergipe, estado do Nordeste Brasileiro. Vamos conhecer sua capital Aracaju (que fica a cerca de 2h40min de voo de São Paulo) e muitas outras cidades próximas.

Tenho certeza que você vai se surpreender com os atrativos desse lugar. Vamos começar nossa viagem?

Cânions do Xingó

Roteiro do Primeiro Dia – Orla de Atalaia / Oceanário de Aracaju / Passarela do Caranguejo

Mais uma vez meus companheiros de viagem foram meus pais e minha irmã. Saímos de São Paulo (Aeroporto de Cumbica em Guarulhos) no sábado de manhã e chegamos a Aracaju (Aeroporto Internacional Santa Maria) no começo da tarde. O transfer para o hotel já estava incluso no nosso pacote de viagem (fechamos pela CVC). Nos hospedamos no Aracaju Praia Hotel, que fica na Praia de Atalaia (Av. Santos Dumont, 1001 – www.site.aracajupraia.com.br).

Almoçamos no restaurante do hotel, nossos pais ficaram no quarto para descansar um pouco e minha irmã e eu fomos explorar a cidade. A Orla de Atalaia é muito grande e larga até chegar na areia, é uma das maiores do Brasil, tem parquinho para as crianças, restaurante, pista de skate, kartódromo, feirinha de artesanato, um lago e até o Oceanário fica na Orla.

Lago na Orla de Atalaia

Falando em Oceanário de Aracaju, ele faz parte do Projeto Tamar, para preservação de tartarugas marinhas, é o primeiro da região nordeste, foi inaugurado em 2002 e funciona diariamente das 9h às 21h.

Seu formato é de uma tartaruga gigante e abriga várias espécies em diversos aquários e tanques, permitindo ver de pertinho peixes, crustáceos, tartarugas-marinhas e até tubarões (que podem ser tocados mediante supervisão na hora da alimentação).

Tanque dos Tubarões

No Oceanário também há palestras, visitas orientadas, exposições e tudo é voltado para a conscientização da preservação do ecossistema marinho. Vale muito a visita! Os ingressos custam R$20 (inteira) e R$10 (meia) e mais informações estão no site: www.tamar.org.br/centros_visitantes.php?cod=10)

Saindo do Oceanário, fomos caminhando pela Orla de Atalaia (não conseguimos ir até o mar porque a passagem estava longe e em vários pontos não dava pra passar por conta da vegetação que você pode ver na foto), mas visitamos a Feirinha de Artesanato, que tem muitas opções de lembrancinhas legais e com preços bons.

Continuamos caminhando pela Orla, agora em sentido contrário (voltando para o Hotel), passamos por ele e fomos em direção aos Arcos da Atalaia (ou Arcos da Orla de Atalaia) – um monumento com vários significados, um deles diz que representa os quatro principais rios de Sergipe: Rio Real, Piauí, Vaza-Barris e o Rio Sergipe, já outro diz que representa as quatro fases de construção da Orla, entre outras hipóteses, mas independente da teoria adotada, o que importa é que são realmente muito bonitos!

Arcos da Atalaia

Continuamos nossa caminhada pela Orla, agora em direção à famosa Passarela do Caranguejo, que é o point noturno, com várias opções de bares e restaurantes que servem o caranguejo como prato principal (que é bem típico na cidade). Como você sabe, sou vegetariana e não provei e minha família também não quis experimentar por pena do animalzinho, mas a região oferece várias outras opções no cardápio e foi aí que provamos uma das melhores e maiores tapiocas que comemos na vida!!! Acabei esquecendo de tirar foto, mas se você provar tenho certeza que vai concordar comigo… Na sequencia voltamos para o hotel para descansar porque amanhã tem muito mais.

Roteiro do Segundo Dia: City Tour: Mercado Municipal de Aracaju / Rio Sergipe / Colina de Santo Antônio / Praia de Aruana / Shopping Rio Mar Aracaju

Acordamos cedo para conhecer a cidade através do City Tour, que já estava incluso no nosso pacote. Quem nos conduziu nessa tarefa e em outros tours também foi a queridíssima Guia Divani, uma pessoa iluminada, super do bem (temos amizade até hoje) e uma profissional excelente!!! Tenho certeza que se você conhecê-la terá essa mesma impressão.

Guia Divani

Começamos nosso tour pela Orla de Atalaia, que já tínhamos conhecido ontem e seguimos em direção ao Rio Sergipe, que é um dos principais do Estado e tem uma extensão de 210 km, nascendo em Serra Negra (na divisa com a Bahia) e desaguando no Oceano Atlântico. Ao fundo da foto, você pode observar a Ponte Construtor João Alves, que foi inaugurada em 2006, medindo 1.800m e fazendo a ligação entre Aracaju e Barra dos Coqueiros, sendo importantíssima para a economia e para o turismo, pois liga a capital ao Porto do Estado e também às praias do litoral norte.

Família no Rio Sergipe

Ali pertinho fica o Mercado Municipal de Aracaju, que fica na Rua José do Prado Franco, s/n e na verdade é um complexo formado por três mercados:  Mercado Antônio Franco, Mercado Thales Ferraz e Mercado Albano Franco, repletos de artesanato, objetos de decoração, flores, frutas, restaurantes com muitas comidas típicas, entre outros produtos para nos enriquecer com a cultura local.  A dica é levar uma ecobag para já providenciar algumas lembrancinhas da viagem.

Mercado Municipal de Aracaju

Continuamos nosso passeio (com o ônibus da excursão), em direção à Colina de Santo Antônio que foi inaugurada em 1855, sendo considerada o ponto mais antigo/ marco zero de Aracaju (quando a capital do Estado foi transferida de São Cristóvão pra cá). É a parte mais alta da cidade e possui uma vista linda!!!

Família no Mirante da Colina de Santo Antônio

Além do mirante, também é possível visitar a Igreja de Santo Antônio, em estilo neogótico, muito charmosa e acolhedora e que recebe muitos fiéis para a festa do santo em 13 de junho.

Com as bençãos de Santo Antônio, continuamos nosso passeio, agora para o almoço na Praia de Aruana, com tempo livre também para apreciar o mar. Depois a excursão nos deixou no hotel. Nossos pais ficaram descansando um pouco e minha irmã e eu fomos bater perna, como boas paulistanas fomos para o Shopping Rio Mar Aracaju (www.riomararacaju.com.br). É bem grande e tem uma excelente estrutura com várias lojas, cinemas, supermercado, etc. É uma ótima opção para quem gosta de shopping! Nem vimos a hora passar, quando voltamos para o hotel já era noite. Agora é só descansar para aproveitar muito bem o dia de amanhã.

Roteiro do Terceiro Dia: Praia do Saco

A guia Divani nos buscou no hotel logo cedo para irmos conhecer a Praia do Saco, que fica na cidade de Estância, a aproximadente 70km de Aracaju. Essa famosa praia do litoral sul é de uma paisagem deslumbrante!

A encantadora Praia do Saco

Chegando lá, optamos pelo passeio de buggy (contratado à parte, mas dividido entre os quatro passageiros não fica pesado), que dura cerca de 1h30 e nos leva para percorrer as dunas (com ou sem emoção).  Como estava com meus pais (foi a primeira vez que minha mãe andou de buggy… Parabéns pela coragem dela!!! Cada dia mais vencendo os medos e aceitando os desafios propostos pela filha maluquinha aqui), optamos pelo passeio sem emoção, no qual o bugueiro vai mais devagar ao descer e subir as dunas, mas mesmo assim é incrível e super recomendo que você faça!!!

Minha mãe encarando o passeio de buggy

Durante o passeio de buggy, também teve uma parada para banho e para apreciarmos essa linda lagoa no Ponta do Saco. Nada mal para uma segunda-feira, não é mesmo?

Depois da emoção do buggy chegou a hora de relaxar na Praia do Saco, que recebeu esse nome em virtude das barricadas de sacos de areia que eram colocados na praia para proteger da ressaca do mar. E assim passamos o dia… No final da tarde voltamos para Aracaju para descansar e nos preparar para o passeio de amanhã.

Na Praia do Saco

Roteiro do Quarto Dia: Foz do Rio São Francisco

Nosso destino hoje foi em direção ao norte do Estado, fomos até Brejo Grande, que fica a uma distância de cerca de 110 km de Aracaju. Lá pegamos o Catamarã Carapeba rumo à Foz do Rio São Francisco, onde ele deságua no Oceano Atlântico.

No Catamarã Carapeba

Navegar pelo Velho Chico é realmente um presente de Deus! Esse rio de mais de 2800km de extensão é um dos mais conhecidos e importantes do Brasil, nasce na Serra da Canastra em Minas Gerais, percorre também os Estados da Bahia, Pernambuco e vai encontrar o Oceano Atlântico na divisa entre Sergipe e Alagoas. Tanto que esse passeio também é oferecido para quem está em Alagoas.

O encontro do rio com o mar (Foz do Rio São Francisco) não apresenta uma diferença de cores tão acentuada, mas é lindo!!!! Não conseguimos chegar mais perto porque tem uma vila antiga submersa, da qual só é possível ver o farol, e o catamarã poderia bater em algum destroço. É uma história triste, mas o farol mantém viva sua memória.

Foz do Rio São Francisco
Antigo Farol

Dali seguimos para uma ilhota, onde tem uma bela piscina natural, para uma pausa para o banho no Rio São Francisco. Poder banhar-se nessas águas e sentir toda a energia positiva desse rio é uma verdadeira benção! Muita gratidão por estar aqui!!!

Hora do Banho no Rio São Francisco

Na volta do passeio, tivemos a parada para almoço em Brejo Grande e depois voltamos para Aracaju. Foi um dia muito agradável. Quando tiver a oportunidade, faça esse passeio que vale muito a pena!!!

Navegando pelo Velho Chico

Roteiro do Quinto Dia: Cânions do Rio São Francisco/ Usina Hidrelétrica Xingó

Acordamos bem cedo porque a saída para o passeio de hoje também seria de manhãzinha, já que são aproximadamente 200km e mais de três horas de viagem para se chegar a Canindé de São Francisco, de onde partem os catamarãs rumo aos Cânions do Rio São Francisco, também conhecidos como Cânions do Xingó (porque ficam na região de Xingó). O Rio São Francisco verdinho, correndo entre os penhascos é de uma beleza incomparável, tanto que escolhi uma foto de lá para ser a capa do blog.

Capa do Blog – Caminho para a Gruta do Telhado no meio dos Cânions do Xingó

Mas antes de chegar aos cânions, vamos passeando pelo Rio São Francisco, contemplando a beleza de suas águas verde-esmeralda e apreciando as pedras da margem ao longo do caminho que, pela ação do tempo, vão adquirindo formas bem peculiares, como de um gavião, de um templo japonês, entre outras. Veja se consegue identificar essas imagens e depois me conte.

Rio São Francisco

Já nos aproximando dos cânions, foi possível avistar uma imagem de São Francisco de Assis a nos abençoar!

Agora sim, chegou o momento de admirar toda essa riqueza da natureza. Esse presente de Deus!!! Tenho certeza que você também vai se encantar pelos Cânions do Xingó!!!

Cânions do São Francisco ou Xingó

No meio dos cânions, montaram uma base de apoio e também uma estrutura com rede e 3m de profundidade e outra com 1,20m para que fosse possível nadar e brincar nas águas do Rio São Francisco.

É também dessa estrutura que partem os barquinhos que nos levam para conhecer a Gruta do Telhado, onde o reflexo da luz do Sol na água causa um efeito tão incrível nos Cânions, que certamente foi um dos lugares mais lindos que já vi na vida!!!! Quando você for, me conta se também teve essa sensação.

A beleza do reflexo!!!

Depois de tanta beleza, voltamos para Canindé de São Francisco para almoçar e de lá seguimos para a Usina Hidrelétrica de Xingó, que fica a 6km de onde estávamos. Sua construção começou em 1987, foi inaugurada em 1994 e tem potencial para se expandir. Ela está instalada no Rio São Francisco, entre Alagoas e Sergipe, e além da energia elétrica, também serve para projetos de irrigação, abastecimento de água e funciona como reservatório para o Complexo de Paulo Afonso. Houve muita polêmica quando da sua construção, por conta do represamento do rio, o que acabou formando um cânion e permitindo uma extensa área navegável, sendo assim a situação foi contornada, com o aumento do turismo na região.

Represamento do Rio São Francisco na Usina Hidrelétrica de Xingó

A usina conta com uma barragem de até 140m de altura, uma casa de força de 3.162 kw de potência instalada e um reservatório de 60 km2. Mais detalhes estão no site: www.chesf.gov.br/SistemaChesf/Pages/SistemaGeracao/Xingo.apx. É impressionante ver a imensidão dessa estrutura!

Usina Hidrelétrica de Xingó em Funcionamento

Depois de tantas vivências nesse dia lindo, voltamos para o hotel para repor as energias para o passeio de amanhã e nos despedimos de Canindé de São Francisco com essa bela imagem da Barragem da Hidrelétrica de Xingó!!!

Barragem da Hidrelétrica de Xingó

Roteiro do Sexto Dia: Laranjeiras / São Cristóvão

Com certeza hoje é o dia mais cultural e histórico do roteiro, vamos conhecer Laranjeiras (que fica a aproximadamente 20km de distância de Aracaju) e São Cristóvão (que fica a 23km da capital.

Começamos por Laranjeiras, que recebeu esse nome por conta dos pés de laranja que ficavam nas margens do Rio Cotinguiba, que banha a cidade. A arquitetura colonial é predominante, tanto nas construções quanto no piso, e o artesanato é bem forte. A cidade foi tombada pelo IPHAN (Instituto do Patrimônio Histórico e Artístico Nacional) em 1996.

Nossa primeira parada foi no Museu Afro-Brasileiro, que foi criado em 1976 com a missão de preservar a importância da cultura africana e divulgar sua influência para os brasileiros. O prédio que ocupa data do século XIX, tem arquitetura neoclássica e é dividido em dois pavimentos.

No térreo estão peças do período de escravidão, da produção canavieira e mobiliário dessa época. Vou te contar uma curiosidade: antes de viajar estava procurando uma mesa de jantar de madeira, quando fui na loja achei diferente uma mesa dessas com gaveta e perguntei pra vendedora e ela me disse que a gaveta servia para guardar talheres e guardanapos. Só que nesse museu, vi uma mesa que também tinha gavetas e me explicaram que a real finalidade dessas era para esconder os pratos com a comida se chegasse alguma visita na hora das refeições. Quando voltei na loja pra comprar a mesa, contei pra vendedora e ela me disse que esse era o verdadeiro motivo, mas que ela tinha ficado com vergonha de contar, mas falei que achei  bem criativo!!!! Rimos muito!!! Olha só como é a minha mesa (a foto do museu não ficou muito boa, então vou mostrar a minha pra você ter uma ideia de como é).

Detalhe da gaveta da mesa de jantar

No andar superior tem um acervo em homenagem aos Orixás, contando um pouco da história de cada um e seus adereços. O museu fica na Rua José do Prado Franco, 70 e funciona de terça à sexta das 10h às 17h e aos sábados, domingos e feriados das 13h às 17h. Mais informações estão no site: www.itabi.infonet.com.br/museusemsergipe/modules/sections/index.php?op=viewarticle&artid=10.

Os Orixás Iemanjá e Oxalá

A maioria das igrejas de Laranjeiras foi construída no período colonial e havia muita distinção entre quem poderia frequentá-las. Então, existia a Igreja dos Negros, como essa da foto que é a Igreja de Nossa Senhora do Rosário e São Benedito dos Homens Pretos,  também a Igreja dos Pardos, que vou te mostrar mais pra frente, e a Igreja dos Brancos, como a Igreja Matriz. Atualmente não existe mais essa diferença e todos os fiéis são bem-vindos em todas as igrejas! Graças a Deus!!!

Igreja de Nossa Senhora do Rosário e São Benedito dos Homens Pretos

Passamos pela Casa do Artesanato, onde muitos produtos dos artesãos locais estão expostos e à venda e de lá seguimos para a Igreja Matriz Sagrado Coração de Jesus, que fica na Praça da Matriz e começou a ser construída em 1790, com uma arquitetura rica em detalhes, sendo que foi a primeira igreja dedicada ao Sagrado Coração de Jesus no Brasil. Atrás da Igreja tem um belo jardim e uma estátua de Cristo. Que Nosso Senhor Jesus derrame suas bençãos sobre todos nós!!!!

Igreja Matriz Sagrado Coração de Jesus
O Altar da Igreja Matriz

Outra Igreja que nos chamou a atenção por sua beleza arquitetônica e estilo próprio foi a Igreja Presbiteriana, cuja inauguração se deu em 1899 após vários conflitos entre católicos e protestantes na região. E foi em Laranjeiras que se fundou a primeira Igreja Presbiteriana de Sergipe em 1884, pelo pastor Alexander Latimer Blackford.

Nos despedimos de Laranjeiras e partimos agora rumo a São Cristóvão, que fica distante cerca de 33km de onde estamos, e foi fundada em 1590 pelo português Cristóvão de Barros, sendo a quarta cidade mais antiga do Brasil e a primeira capital de Sergipe (que foi transferida para Aracaju somente em 1855 como já comentei quando falei da Colina de Santo Antônio). Vale lembrar que São Cristóvão foi tombada pelo IPHAN em 1967 e a Praça de São Francisco, que é a principal da cidade, foi eleita Patrimônio Mundial pela Unesco. E é nessa praça que fica a Igreja e o Convento de Santa Cruz ou Convento São Francisco, cuja construção iniciou-se em 1693 e continuou por muitos anos através dos donativos da comunidade. A Igreja e o Convento foram considerados Patrimônio Mundial da Unesco em 2010. Ao lado desse complexo fica o Museu de Arte Sacra.

A Praça e a Igreja e Convento de Santa Cruz e São Francisco

Ali na Praça São Francisco, fica a Casa do Folclore, que expõe artigos bem típicos e históricos da região, como roupas, artesanato e os bonecões gigantes de personalidades da cidade, com a Dona Gil, o João Bebe Água (que recebeu esse apelido por sempre responder: “Vou bem, bebendo água….” quando perguntavam como ele estava, mas segundo boatos, essa água era aquela que passarinho não bebe…), entre outros.

Os bonecões de João Bebe Água, Dona Gil e Mestre Satu

Foi nesse lugar de mergulho na cultura sergipana que aproveitamos para registrar e celebrar novas amizades que conquistamos nessa viagem, como a Guia Cila, que nos acompanhou nos passeios de hoje e os casais queridíssimos: Micheli e Roberval e Vera e Paulo.

Com a Guia Cila e os queridos Amigos: Micheli e Roberval / Paulo e Vera

Conhecemos também o Museu da Polícia Militar de Sergipe, que foi criado em 1969 com sede em Aracaju e em 2012 foi transferido para o local atual. Conta com um acervo de cerca de 1000 peças relacionadas à atividade policial, como fardas, armamentos, entre outros objetos, além de um espaço para exposições de artistas sergipanos. É muito interessante ver o vestuário e os equipamentos utilizados ao longo do tempo, como os mimeógrafos para cópias de boletins de ocorrência das décadas de 30 a 60.  O museu funciona diariamente das 9h às 16h e oferece visitas guiadas gratuitas, que nos permite conhecer um pouco mais da história e do importante trabalho da Polícia Militar em prol da sociedade. Mais informações estão no site: www.pm.se.gov.br/museu-da-policia-militar-atrai-cerca-de-450-visitantes-por-mes-em-sao-cristovao.

Continuando o tour pelas Igrejas de São Cristóvão, chegou o momento de conhecer a Igreja Matriz Nossa Senhora da Vitória, que começou a ser construída no século XVII porém foi destruída por conta da invasão dos holandeses e depois reconstruída no século XIX, e é considerada a igreja mais antiga de Sergipe. Seu estilo mescla o barroco e o neoclássico e vale a pena prestar atenção aos detalhes do altar, que é muito bonito. Quem observa a parte externa, não imagina a beleza de seu interior.

Dali, fomos caminhando para a Praça do Carmo, onde estão a Igreja e o Convento Nossa Senhora do Carmo, que na verdade formam o Conjunto Arquitetônico do Carmo, com a Igreja da Ordem Primeira e Ordem Terceira e o Convento. A construção do Convento data do século XVII e a das Igrejas do século XVIII, em estilo barroco. Vale lembrar que  a Igreja da Ordem Terceira também é conhecida como Igreja de Nosso Senhor dos Passos e foi nesse convento que a Irmã Dulce começou sua vida como freira em 1933 e tem uma sala em sua homenagem.

Igreja e o Convento Nossa Senhora do Carmo
Detalhe do Teto Original da Ante-sala da Igreja da Ordem Primeira

Também visitamos a Igreja de Nossa Senhora do Amparo, que era conhecida como a Igreja dos Homens Pardos. Sua construção data do século XVII, mas ficou fechada por um longo período. Seu processo de restauração só começou no final do século XX. Sua arquitetura é mais simples do que as outras igrejas que visitamos anteriormente, porém não deixa de valer a pena a visita.

Também visitamos a Antiga Igreja e Santa Casa de Misericórdia, que hoje em dia abriga o Lar Imaculada Conceição. Sua construção data do século XVII e utiliza o estilo barroco. Esse lar desenvolve vários projetos de inclusão social e foi ali que encontramos os tradicionais bricelets de São Cristóvão, que são um tipo de biscoito fabricado pelas freiras. Também encontramos uma gruta muito bonita no jardim!!!

Antiga Igreja e Santa Casa de Misericórdia / Atual Lar Imaculada Conceição

Antes de voltarmos para Aracaju, fomos conhecer uma celebridade da cidade: a Dona Mirian e seu famoso Presépio, que conta com mais de 700 peças e fica exposto na sala de sua casa. Sua paixão por presépios começou desde os 12 anos e continua até hoje.

O Presépio da Dona Mirian
Detalhes do Presépio

Roteiro do Sétimo Dia: Parque dos Falcões / Teleférico do Parque da Cidade / Mirante de Nossa Senhora da Conceição / Museu da Gente Sergipana

Nosso primeiro passeio do dia foi pra conhecer um lugar muito especial: o Parque dos Falcões, que fica na cidade de Itabaiana, a cerca de 45km de Aracaju. Esse parque foi fundado no ano 2000 por José Percílio e Alexandre Correia. Mas a paixão de José Percílio pelos animais começou desde sua infância e continua…

O Parque dos Falcões conta com mais de 300 aves e é autorizado pelo Ibama para a criação de aves em cativeiro, sendo uma referência na reabilitação desses animais, que na maioria das vezes chegam aqui vítimas de maus-tratos e/ou resgatados do tráfico. Os ingressos custam a partir de R$15 para crianças de 8 a 12 anos e R$25 para adultos. As visitas acontecem das 9h às 14h e são mediante agendamento. Mais informações estão no site: www.parquedosfalcoes.com.br

A Poderosa Harpia

O cuidado e o carinho que as aves recebem no parque realmente impressiona. O Tito (Gavião Carcará), que é o mascote do Parque vive passeando por lá. Vale muito a pena a visita. E ainda tivemos a oportunidade de segurar algumas corujinhas e até um falcãozinho. É muita fofurice para um passeio só!!!!

“Se encostar leva bicada….”

Depois desse passeio incrível, voltamos para o hotel, onde almoçamos e nossos pais ficaram descansando, enquanto minha irmã e eu fomos passear mais um pouco. Pegamos um táxi e fomos para o Parque da Cidade (ou Parque José Rollemberg Leite), que fica numa Reserva de Mata Atlântica, tem um mini-zoológico e ainda um passeio de Teleférico (que você que acompanha o blog já sabe que eu adoro!). A entrada do Parque e do Zoo é gratuita e funciona de terça à domingo das 8h30 às 17h. Já o teleférico é pago (R$20 – inteira e R$10 – meia entrada), mas super compensa porque a vista é linda!

Do seu percurso de 600m é possível apreciar o verde do parque e o zoológico e no final tem o Mirante e a Imagem de Nossa Senhora da Conceição, padroeira de Aracaju. Não descemos para andar pelo parque o visitar o zoológico porque estava corrido, mas se você estiver com tempo pode aproveitar para curtir o verde. Mais detalhes estão no site:
https://www.aracaju.se.gov.br/index.php?act=leitura&codigo=46009

As Emas no Zoológico vistas do Teleférico

Saímos do Parque rapidinho, pegamos outro táxi e fomos para o Museu da Gente Sergipana, que fica no centro de Aracaju e foi inaugurado em 2011. É considerado o primeiro museu de multimídia interativo do Norte e Nordeste. Sua tecnologia lembra bastante o Museu do Futebol em São Paulo.

O prédio em que está instalado foi construído em 1926 e totalmente restaurado para o museu, que conta com vários espaços expositivos, como uma sala dedicada à literatura de cordel, onde os visitantes podem declamar ao versos como se fosse um karaokê e depois postar na internet.

Ane soltando a voz na Literatura de Cordel

Outra parte que gostei bastante foi a área temática “Nossos Leitos”, na qual o visitante senta num barco, dentro de um túnel e acompanha projeções em 360°de toda a fauna e flora de Sergipe. É lindo!!!! Além de áreas que reproduzem as feiras, roupas, roças, festas, sotaques, entre outras peculiaridades da região. E também apresenta exposições temporárias e outros eventos. Vale muito a pena esse mergulho na cultura sergipana!!! O museu funciona de terça à sexta das 10h às 16h e aos sábados, domingos e feriados das 10h às 15h. A entrada é gratuita e mais informações estão no site: www.museudagentesergipana.com.br.

Roteiro do Oitavo Dia: Orla Pôr-do-Sol / Ilha dos Namorados / Crôa do Goré

Acordamos cedo e seguimos em direção a Mosqueiro, que está a cerca de 23km de Aracaju, onde fica a Orla Pôr-do-Sol, famosa pela beleza do Sol se pondo em tons alaranjados no Rio Vaza-Barris (não tivemos a oportunidade de ver esse espetáculo, mas se você for, nos conte nos comentários como foi essa experiência). Mas é dessa Orla bem bonita e estruturada que partem as catamarãs em direção à Ilha dos Namorados e à Crôa do Goré que são os passeios de hoje.

Embarcamos no Catamarã Velho Chico, navegando pelo Rio Vaza-Barris, apreciando toda a beleza ao nosso redor e com direito a uma hidromassagem natural. Como assim? Calma que eu te explico: no meio do barco tem redes ao invés do fundo de madeira para que a pessoa possa deitar e sentir a massagem da água, enquanto o barco vai deslizando pelo rio… É uma sensação muito boa, no começo parece meio difícil de se equilibrar para deitar, mas vale muito a pena. Se você pegar um catamarã assim não deixe de viver essa experiência e depois me conte como foi.

Aproveitando a Hidromassagem Natural

Nossa primeira parada foi na Ilha dos Namorados, que fica entre o Rio Vaza-Barris e o ao Oceano Atlântico. A praia, que surge na maré baixa, tem areia fininha e águas calmas. É um momento perfeito para relaxar!!!!

Chegando na Ilha dos Namorados

Voltamos para o catamarã e durante o percurso, passamos por uma região de Mangue que é uma paisagem única!!!

E finalmente chegamos ao ápice do passeio de hoje: a Crôa do Goré que é um banco de areia formado no meio do Rio Vaza-Barris pelo movimento da maré, ele aparece no meio da manhã e fica até o meio da tarde, depois é encoberto pela água. Por isso os passeios tem horário certo para acontecer e todo o aparato de mesas e cadeiras precisa ser recolhido para o bar flutuante, ficando só as tendas de palha. Uma curiosidade em relação ao nome é que “crôa” significa um banco de areia que surge quando a maré está baixa e “goré” é um mini-caranguejo que vive nos manguezais, provavelmente deveria ter muitos desse no mangue ao redor. É um passeio maravilhoso!

Na Crôa do Goré

Aproveitar essas águas calmas em meio a uma paisagem encantadora e ser testemunha da perfeição da natureza com o efeito da maré é um presente!!! E com certeza uma maneira muito especial de nos despedirmos de Aracaju, já que nosso voo para São Paulo é logo mais. Muita gratidão a Deus por mais essa viagem e pelos momentos mais que especiais que passamos aqui!!!

Até breve!!! Te espero na nossa próxima postagem!!!

Rio Vaza-Barris na Orla do Pôr-do-Sol

6 pensamentos em “As Surpresas de Sergipe”

  1. Luna querida. Foi maravilhoso fazer novamente essa viagem com você mesmo sendo virtual. Pudemos relembrar os bons momentos que passamos em quase todos os lugares que você mostrou. Parabéns pelo seu trabalho. Com certeza vai levar muita gente conhecer a região. Bjs pra você e sua família.

    1. Oi Vera!!! Fico muito feliz que tenha me acompanhado nessa viagem virtual e relembrado os bons momentos da sua viagem!!! Muito obrigada de coração pelo apoio e torcida de sempre!!!! E que possamos nos encontrar em muitas outras viagens!!!! Bjs

  2. Amei, tivemos a oportunidade de conhecer acompanhados da Guia Divani, que acentuou a beleza do lugar, muito alegria, diversão, alumentação farta.
    Tudo de bom.

    1. Olá Dimas!!! Que legal que puderam conhecer Sergipe acompanhados da Guia Divani, com certeza fez toda a diferença e animou a viagem!!!! Ela é incrível!!! Muito obrigada por compartilhar sua experiência aqui!!! Tudo de Bom pra vocês também!!!!

  3. Muito lindo Sergipe. Parabéns pelas publicações e postagens ! Tive o prazer e honra de conhecer esse paraíso. Morei 3 anos em Aracaju. A guia Divani é um amor de pessoa ! Viajar é tudo de bom ! Sou de BH Amo Sergipe.

    1. Oi Emerson!!! Muito obrigada!!!! Que legal que gostou de Sergipe, realmente é um paraíso!!! E a Divani é uma querida!!! Concordo plenamente: Viajar é tudo de bom mesmo!!! Que venham muitas viagens pra você!!!!

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *