Uma volta ao passado na Casa das Caldeiras

O cenário é rodeado de arranha-céus espelhados, shopping center, estádio de futebol, uma avenida movimentada e ao olhar para o lado direito, na Avenida Francisco Matarazzo, no sentido bairro, nos deparamos com uma construção em tijolinhos e três chaminés enormes, como se o fosse um recorte no tempo…

Meu convite de hoje é para juntos fazermos  “Uma volta ao passado na Casa das Caldeiras”!  Me acompanha?

Vamos embarcar nessa viagem?

Tudo começou em 1891, quando o italiano Francisco Matarazzo (que mais tarde levaria o título de Conde) chegou à cidade de São Paulo, mas já estava no Brasil há um tempo e morava em Sorocaba, onde trabalhava produzindo gordura de porco. Ao chegar na capital fundou algumas fábricas na região do Brás e da Mooca para produzir algodão e trigo. Por muito tempo, foi o único fabricante desses produtos no país. Com o crescimento da produção e necessidade de expansão da empresa, precisava de espaço, então descobriu esse terreno de mais de 100 mil m², uma área compreendida entre onde atualmente estão o Viaduto Antártica e o Viaduto Pompéia. Esse local foi escolhido, além do grande espaço, por ser próximo à linha férrea e ter a água do Rio Tietê próxima também! As novas fábricas começaram a ser construídas em 1920, por essa foto do postal dá pra você ter uma ideia desse Complexo Industrial da Casa das Caldeiras

Cartão Postal de Complexo Industrial no seu auge

Mas voltando pra atualidade, quem me acompanhou no passeio de hoje foi a minha irmã Ane e quem nos guiou nesse tour, que faz parte da Jornada do Patrimônio 2019, foi o Júnior, um excelente anfitrião que realmente nos fez mergulhar no passado, revivendo essa memória paulistana. Ah! Lembrando que na Jornada do Patrimônio 2018, visitamos o Palácio da Justiça, se você ainda não viu ou quer rever a matéria é só dar uma olhadinha nesse post: https://cadaviagemumabagagem.com/no-caminho-da-justica-visita-ao-museu-do-tribunal-e-ao-palacio-da-justica/.

Voltando a falar de história, a Casa das Caldeiras surgiu com a necessidade de gerar energia termoelétrica para todo esse complexo das Indústrias Matarazzo (também conhecidas pelas sigla IRFM- Indústrias Reunidas Francisco Matarazzo). Então foi feita um adaptação dos galpões pra viabilizar essa geração de energia. Trouxeram uma caldeira da Inglaterra e em 1923  foi construída a primeira e principal Chaminé Central, que tem mais de 30 metros de altura e você se depara logo que entra na Casa das Caldeiras.

Com a Chaminé Central

Em 1936 foi construída uma Segunda Chaminé, que também tem mais de 30 m de altura, e fica onde era a Antiga Entrada Principal da Casa das Caldeiras. Essa era a principal entrada porque ficava mais perto dos trens. Também tem uma Terceira Chaminé do outro lado e apesar de serem bem parecidas, tem algumas diferenças entre si, como o acabamento e outros detalhes, como por exemplo, a parte de cima da segunda Chaminé que foi recuperada com a restauração de 1999, mas que ficou diferente da base.

Vale lembrar que a arquitetura da Casa das Caldeiras foi sofrendo modificações ao longo do tempo e essas marcas podem ser percebidas na Antiga Entrada Principal, como a construção de um piso superior e também na Lateral da Casa, com o fechamento das janelas, entre outras alterações.

Na Entrada Antiga com o segundo piso…
Detalhe das Janelas do Primeiro Piso Fechadas com Tijolos…

Em 1937, o Conde Francisco Matarazzo faleceu, e o seu filho Francisco Matarazzo Junior assumiu a empresa e continuou crescendo, tanto que comprou 12 Locomotivas iguais a essa da foto (que foi uma das únicas a permanecer e está exposta na frente da Casa das Caldeiras e era chamada carinhosamente de Filomena) e que serviam para levar a produção das fábricas até os vagões de trem da Estação Ferroviária e cujo carregamento era feito através de Passarelas como essa.

Ane quase andando na linha…
Detalhe do Vagão de nome Filomena
Passarela que ligava a Casa das Caldeiras à linha férrea

As Indústrias Matarazzo continuaram crescendo e em 1953 receberam mais três caldeiras e Casa das Caldeiras (que era considerada a “cozinha” de todo o complexo das fábricas) foi dividida em dois pisos. Esse Salão dos Tanques era a base de máquinas e o que parece um submarino é reservatório de água e é original da época, já os tanques laranjas foram colocados depois da restauração, que aconteceu entre 1998 e 1999, após os 30 anos de abandono Casa, que começou a entrar em desuso e se deteriorar a partir de 1969.

Salão dos Tanques
Detalhe do Tanque “Submarino”

A Casa das Caldeiras foi tombada 1986 pelo CONDEPHAT pela sua importância histórica para a cidade, pois marca a transição da cultura agrária para a industrial.  E a partir da sua revitalização em 1999, passou ter uma ocupação mais cultural, que se intensificou em 2005, com a criação da Associação Cultural Casa das Caldeiras, que desenvolve projetos artísticos e culturais. Além disso, a Casa das Caldeiras também pode ser locada para eventos. Já imaginou que show sua festa ou casamento aqui? Se quiser saber mais detalhes é só dar uma conferida no site: http://www.casadascaldeiras.com.br.

Agora voltando para o nosso passeio, fomos conhecer uma Caldeira e sua Fornalha que era alimentada por lenha e depois por carvão para produzir a energia termoelétrica que iam para o Maquinário no piso superior.

Túnel onde ficava a Caldeira

Vale lembrar que aqui trabalharam cerca de 30 mil pessoas para manter toda essa estrutura funcionando e garantir a produção de energia para as fábricas. Vamos visitar agora o túnel que servia para escoar a fumaça pelas chaminés. O projeto de sua construção era italiano e ele fica na mesma altura da linha férrea e não no subsolo como se imagina. Aqui também foi possível visitar as Chaminés por baixo e ter uma ideia de sua dimensão.

Agora fomos visitar a Parte Externa da Casa das Caldeiras e foi possível perceber a mudança arquitetônica acompanhando as mudanças na indústria, como por exemplo,  as janelas do térreo foram fechadas com a construção do piso superior e o espaço aberto desse piso, onde estão as cortinas, era pra ventilação. Vale lembrar que essa parte superior servia como depósito de resíduos.

Parte Externa…
Parte Externa e o Detalhe das Cortinas…

Já que estamos falando do Piso Superior, seu Telhado era de cerâmica e com a restauração foi modificado para telha metálica, então foi feito um jateamento com espuma pra isolamento acústico por conta dos eventos e festas da Casa. Ah! A Sala Lateral desse piso era onde funcionava a sala das máquinas e onde ficam os tanques que ainda tem óleo.

Sala Lateral
Máquina da Sala Lateral
Tanques da Sala Lateral

Na parte externa da Casa das Caldeiras, podemos observar uma bonita construção em tijolinhos, que é a Casa do Eletricista, local onde ficavam as instalações pra transmitir a energia gerada nas caldeiras para as fábricas.  A Casa do Eletricista foi tombada junto com a Casa das Caldeiras em 1986 e a área verde ao lado dela tem que ter preservada servindo como descanso visual e as duas Casas (das Caldeiras e do Eletricista) devem estar conectadas. Essa casa já abrigou exposições, teatro, restaurante, e no momento está fechada para reforma, mas mesmo vendo somente sua parte externa, já dá pra perceber todo o charme de sua arquitetura.

Casa do Eletricista

Voltando a falar um pouco mais de história, as Indústrias Matarazzo produziam de tudo, tinha desde serraria, refinaria, frigorífico até a fabricação de  perfumes, enfim, era um verdadeiro império, mas começou a decair em 1969, sendo que toda a área das fábricas foi sendo vendida e demolida para a construção de grandes prédios, o que iria acontecer com a Casa das Caldeiras, se não fosse um detalhe: as chaminés. Isso mesmo, as Chaminés salvaram a Casa por serem consideradas o marco do Complexo Industrial da Água Branca, o símbolo da região, tendo assim um grande valor histórico.

As Chaminés Salvadoras!!!!

Porém, o restante  das fábricas não teve a mesma sorte… Tudo foi demolido dando origem a novos empreendimentos e como forma de compensação ambiental por esses novos imóveis, foi construída a Praça Francisco Matarazzo Junior no local onde era a fábrica de perfumes e velas.

A Beleza da Praça Francisco Matarazzo Junior
Praça Francisco Matarazzo Junior

E com esse prédio mais baixo à direita da foto, que foi construído em 2010 onde era a antiga fábrica de margarina, finalizamos esse tour de hoje com essa linda foto do grupo, feita por Nickolas Floriano. Se você gostou desse passeio e não quer esperar pela próxima Jornada do Patrimônio, pode entrar em contato pelo e-mail: contato@casadascaldeiras.com.br para fazer o agendamento de grupos para a visitação, que ocorre pelo menos duas vezes ao mês.

O Grupo do Tour!!!

Mas antes de nos despedirmos desse roteiro especial, tivemos a oportunidade de conhecer o Projeto Mantas do Brasil, que visa a preservação e proteção das Mantas (uma espécie de raia, cuja maior delas por chegar a 8m – o tamanho do domo dessa estrutura – e pesar até duas toneladas). Através de projeções nesse inflável foi possível aprender um pouco mais sobre nossa riqueza marinha e como a participação de todos para salvar nosso planeta é fundamental!!! Se você quiser saber um pouco mais sobre esse lindo trabalho é só olhar o site: www.mantasdobrasil.org.br.

Inflável do Projeto Mantas do Brasil
Projeção da Manta

Ah! Vale lembrar que a Casa das Caldeiras ainda tem Espaços Lindos para você tirar aquelas fotinhos para postar nas redes sociais!!!

Ane literalmente na Passarela

Agora sim, terminamos nosso passeio!!! Agradeço de coração sua companhia e te espero na próxima postagem!!!

Casa das Caldeiras, Muito obrigada por existir!!

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *