Uma viagem pela Arte Brasileira na Exposição: Contemporâneo, Sempre – Coleção Santander Brasil

Já pensou em fazer uma viagem por 70 anos da Arte Brasileira, num mesmo espaço, através de obras abstratas, de paisagens e também de retratos? Esse é o convite da Nova Exposição do Farol Santader: Contemporâneo, Sempre – Coleção Santander Brasil. Me acompanha nessa viagem?

A curadoria dessa exposição ficou por conta do Agnaldo Farias e do Ricardo Ribenboim, que tiveram a difícil missão de escolher entre mais de duas mil obras do Acervo do Santander, 64 para compor essa mostra! E entre os parâmetros para a escolha eles utilizaram o período e a técnica. O trabalho deles foi realmente excelente!!!! Além da incrível aula que nos proporcionaram durante a visita monitorada, que também contou com a presença da Patrícia Audi, vice-presidente de Comunicação do Santander.

Trio Fantástico!!!

A Exposição Contemporâneo, Sempre ocupa o 24° do Farol Santander e está dividida em Abstração, Retrato e Paisagem. Vale lembrar que as obras dessa mostra foram apostas, porque foram adquiridas logo após sua produção e antes de se tornarem famosas, fazendo com que o Banco se tornasse um tipo de cúmplice, um fomentador desses projetos.

Logo na entrada da Exposição, já somos recepcionas por obras abstratas de Arcangelo Ianelli, Tomie Othake e Alfredo Volpi, estrangeiros que contribuíram muito para a arte brasileira. A forma como essas obras foram dispostas nos faz enxergar um elo entre elas, na primeira há uma sobreposição e na segunda parece que a obra se abre e fecha-se o ciclo com a obra de Volpi, adotando aqui um estilo incomum.

Abstrações de Ianneli, Tomie Othake e Volpi
“Sem Título” (1978) – Tomie Othake
“Sem Título” (1960) – Alfredo Volpi

Também na entrada encontramos uma Escultura com várias formas geométricas de Emanoel Araujo.

Outra obra que também chama a atenção é o quadro “Equilíbrio” (1967) de Iberê Camargo, na qual notamos um trabalho tenso na forma como as cores e os relevos da pintura se apresentam.

Vamos conhecer agora um pouco mais sobre a abordagem Paisagem dessa Exposição. Do lado direito da sala podemos notar a Representação indígena de diversas formas, primeiro através da pintura, que foi usada por muito tempo como forma de documentação,  e também através da fotografia, nessa obra tão marcante “Conselho de homens Xicrin- Kayapo” (Estado do Pará, Amazônia, 1966) captada pela lente da incrível Claudia Andujar. Reforçando, dessa maneira que todas as linguagens devem ser respeitadas e tem sua riqueza!!!

“Conselho de homens Xicrin- Kayapo (Estado do Pará, Amazônia, 1966) – Claudia Andujar

Ainda no quesito Paisagem, dentre tantas obras belíssimas se destacam  “Cavalo, Casebre e Paisagem” (1959) de Candido Portinari e “Baile no Campo” de Cícero Dias.

“Cavalo, Casebre e Paisagem” (1959) – Candido Portinari
“Baile no Campo” de Cícero Dias

Vamos percorrendo a Exposição, que foi montada de forma sinuosa para dar a ideia do movimento da arte, e nos deparamos com o artista Paulo Almeida, executando sua Pintura da série “Palimpsestos”, na qual ele vai pintando o que está ao seu redor e conforme o ambiente vai sendo modificado, sua obra se altera também, através de sobreposições. No vídeo está o momento em que ele está começando a pintar a ponte que está na outra extremidade do corredor onde está sua obra, dá sua uma olhadinha nesse privilégio de acompanhar ao vivo o trabalho do artista link do vídeo do Paulo no youtube: https://www.youtube.com/watch?v=U6OXOHdmj_8&feature=youtu.be

Ateliê do Paulo
Com o Artista Paulo Almeida

Agora seguindo para a abordagem Retrato, uma obra que merece destaque é a “Mulata na Cadeira” (1970), de Di Cavalcanti, que também está representada na forma tátil no projeto acessibilidade. Assim como a obra “Circo”(2008) de Luiz Braga.

Mulata na Cadeira e na forma tátil
“Circo”(2008) – Luiz Braga e em sua forma tátil

Outra obra que também chamou muito a minha atenção foi a “Figura”(1948) de Milton Dacosta, que me transmitiu muita doçura a serenidade no olhar…

Com a “Figura”

A Exposição ainda conta com várias outras obras, incluindo pinturas, fotografias e até esculturas como a “Tocadora de Guitarra” (1923) de Victor Brecheret, que é a obra mais antiga da mostra.

A Exposição ainda conta com uma parte interativa: um espaço multimídia no qual as obras projetadas na parede podem ser alteradas pelos gestos do visitante!

Lembrando que a Exposição ficará ee cartaz até o dia 05 de janeiro de 2020, no 24°andar do Farol Santander (Rua João Brícola, 24). Para saber mais informações é só dar uma olhadinha no site: www.farolsantander.com.br . E se quiser saber mais sobre o edifício e outras exposições que já visitei lá é só conferir o nosso link : https://cadaviagemumabagagem.com/caminhando-pelo-centro-historico-de-sao-paulo/

E com essa vista linda do 26° andar do Farol Santander, me despeço… Espero que tenha gostado dessa nossa viagem no universo das artes. Muito obrigada pela companhia e te espero na próxima postagem! Até lá!!!

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *