Nos Bastidores do Donna Summer Musical

Hoje quero te convidar para um passeio diferente… Além de assistir a um espetáculo belíssimo sobre a Diva da Disco Music, quero te levar numa visita ao backstage da peça.

Me acompanha nos Bastidores do Donna Summer Musical?

Antes de iniciarmos nosso passeio, quero que saiba que essa visita ao backstage e a peça que assisti foram ANTES DA PANDEMIA (pouco antes dos teatros terem que fechar – por isso ninguém está usando máscara), só agora é que, felizmente, eles conseguiram retornar com o Musical, seguindo todos os protocolos de segurança para contar a história da Donna Summer, uma das maiores cantoras do mundo, nascida em Boston, nos Estados Unidos, em 1948 e que nos deixou em 2012, em decorrência de um câncer de pulmão. Sua trajetória é uma lição de vida para todos nós, um exemplo de perseverança e determinação para vencer os obstáculos que surgem no caminho.

O Donna Summer Musical foi feito mediante um acordo com a Brodway para que pudesse ser encenado no Brasil com o mesmo texto apresentado em Nova York, porém com liberdade para a montagem, o que permitiu ao incrível diretor Miguel Falabella imprimir toda sua criatividade e maestria no espetáculo!

Além dessa maravilhosa direção do Miguel Falabella, o Donna Summer Musical conta com uma produção e uma equipe de primeira, incluindo todo o elenco que atua brilhantemente, como as três atrizes que representam a Donna Summer: a Amanda Souza (que interpreta a Jovem Donna), a Jeniffer Nascimento (interpretando a Donna na Era Disco) e a Karin Hills (dando vida à Diva Donna).

Cena do Musical com as três atrizes interpretando Donna Summer ao mesmo tempo
Karin Hills, Amanda Souza, Miguel Falabella e Jeniffer Nascimento (lembrando que essa foto foi tirada antes da pandemia)

“Se esse musical fosse cinema começaria com um globo de espelhos e cada quadradinho seria um flash da vida de Donna Summer ao se aproximar a câmera”, foi com essa ideia que o diretor Miguel Falabella começou a montar o espetáculo e para isso criou o cenário com três torres representando o globo de espelhos, sendo que as torres laterais pesam 2 toneladas cada e a torre central pesa 6 toneladas e tem 9,5m de altura. Além da função cenográfica, essas torres também são ocupadas pelos músicos da orquestra do espetáculo.

As Três Torres Espelhadas
Topo de uma das Torres onde ficam os Músicos
Os Músicos tocando durante o Espetáculo

O Teatro Santander favoreceu a montagem do espetáculo por ter uma excelente estrutura: a boca de cena é bem grande o que possibilita uma bela visão do palco, são 52 varas automatizadas para luz, cenário e som (e que ajudaram a levantar as colunas na hora da montagem). E tem uma porta atrás do teatro que facilita a entrada do cenário, entre outros elementos. Quem nos explicou tudo isso e nos conduziu nessa visita guiada aos bastidores foi o Marcelo Demétrius (representante do Teatro Santander), a Luanda Scandura (da Produção do Musical Donna Summer) e a Patrícia Audi (vice-presidente de Comunicação do Santander).

Conhecendo os bastidores com Marcelo Demétrius e Luanda Scandura
Patrícia Audi com Miguel Falabella e Júlio Figueiredo

A estrutura do Donna Summer Musical é realmente maravilhosa, tem uma equipe de 100 pessoas do que fazem parte do musical e 45 profissionais do próprio teatro, todos empenhados em encantar o público com o espetáculo. A produção ficou por conta de Julio Figueiredo, que fez um trabalho meticuloso para que tudo saísse como o diretor havia pensado.

O Donna Summer Musical chama a atenção por sua musicalidade que já é um convite para a plateia mexer os pezinhos na poltrona e querer dançar, acompanhando a coreografia, que ficou por conta da coreógrafa Bárbara Guerra e foi inspirada nas décadas de 70 e 80 e também em outros estilos musicais. O visagismo para deixar o elenco em harmonia com essa época foi responsabilidade do Anderson Bueno e da Simone Momo. E os 200 figurinos pensados para englobar as várias faces da Donna Summer (tanto das atrizes que interpretam a Donna, bem como de cada personagem do essemble) e a moda dos anos 70 (com muito brilho e glamour) foi tarefa do figurinista Theo Cochrane. E tudo isso com uma iluminação que remete a um salão de dança, um trabalho de cerca de 9 dias e mais de 50 horas de gravação de luz feito pelo iluminador Caetano Vilela.

Anderson Bueno, Simone Momo, Bárbara Guerra, Theo Cochrane e Caetano Vilela
Últimos ajustes nos figurinos
Um pequena amostra dos figurinos….
E da coreografia!!!

Também merecem destaque as projeções, que ficaram por conta do Richard Luiz e a parte musical (com harmonias e melodias lindas) de responsabilidade do Carlos Bauzys e do Tocko Michelazzo. Além da cenografia do Zezinho e do Turíbio Santos que nos leva para uma discoteca. Lembrando que o texto do Musical é uma adaptação do apresentado na Broadway e a versão brasileira foi realizada pela Bianca Tadine e pelo Luciano Andrey e as músicas não foram traduzidas (com exceção da abertura “The Queen is Back”) porque as pessoas já conhecem as canções da Donna Summer.

Complementando a equipe anterior: Richard Luiz, Tocko Michelazzo, Zezinho e Carlos Bauzys
Detalhes da iluminação…
Na hora do espetáculo!!!

Depois dessa visita aos bastidores vamos falar da peça em si, o Donna Summer Musical retrata a vida de Donna Summer através de suas próprias músicas. O texto não segue uma sequência cronológica, ele vai e volta conforme as lembranças da Diva Donna Summer. Mas nos mostra desde sua adolescência, quando começou a cantar na Igreja (e se sentia super insegura, achando que suas irmãs Dara e Mary Ellen cantavam melhor que ela), passando pelo começo de sua carreira artística, sua ida para a Alemanha, seu primeiro casamento com Helmut Sommer (seu nome “Summer” vem daí), sua gravidez e o dilema entre a maternidade e a carreira. Sua parceria com os produtores Giorgio Morder e Pete Bellote e o sucesso com a música que foi o divisor de águas da sua carreira “Love to Love You Baby”, sua volta aos Estados Unidos, sua nova parceria com outro produtor Neil Bogart. Postei algumas cenas no nosso canal do youtube, dá só uma olhadinha pra sentir o clima do espetáculo: https://youtu.be/42PqY_CbxZU

A Diva Donna Summer nos contando suas lembranças….
Nos embalos da Disco Music
A Diva Donna mostrando seu talento musical

Também podemos acompanhar no Musical os problemas conjugais de Donna Summer, sua separação, seu novo casamento com Bruce Sudano, sua relação com a família, sua ansiedade e depressão, os altos e baixos de sua trajetória e principalmente o impacto que ela causou na sociedade. Donna Summer era à frente do tempo sem saber, ela enfrentou os preconceitos de uma mulher negra no meio musical de produtores masculinos, sendo um verdadeiro exemplo do empoderamento feminino. Entre muitas questões levantadas, o texto nos faz refletir também sobre o preço que estamos dispostos a pagar pelas decisões que tomamos. Como diz a própria Donna: “Tudo tem seu preço”. Mas tudo isso de um jeito muito sutil e leve, conduzido pelas batidas da disco e dance music, nos convidando a dançar e seguir em frente como a Diva e Poderosa Donna Summer!!!

Um pouquinho do que te espera no Donna Summer Musical….
Todo o Poder da Diva Donna Summer

Nesse clima de alto astral e nos embalos da Disco Music vou ficando por aqui… Lembrando que o Donna Summer Musical ficará em cartaz de 02 de setembro até o dia 26 de setembro de 2021 de quinta a domingo no Teatro Santander, no Complexo JK Iguatemi em São Paulo. Para mais informações e detalhes é só dar uma olhadinha no site: https://teatrosantander.com.br/donna-summer-musical-teatro-santander/

Ah! Lembrando que se você gostou desse post, compartilhe com seus amigos para que possam se divertir também, e siga nossas redes sociais para saber em primeira mão as novidades: Instagram (@cadaviagemumabagagem) e Facebook (https://www.facebook.com/cadaviagemumabagagem/) e se inscreva no nosso canal do Youtube (Cada Viagem uma Bagagem): https://www.youtube.com/channel/UC5Q29-MYuWjvPH__wWhF42A

Agradeço de coração e conto com sua companhia na próxima postagem!!! Até lá!!!

Vamos dançar?

No Universo de Magia e Fantasia do Griffinn Café e Afins

Já imaginou entrar numa Cafeteria e ao mesmo tempo mergulhar num mundo de fantasia de um dos bruxinhos mais amados do mundo? Pode parar de imaginar e venha conhecer comigo esse lugar tão mágico e especial!!

Vamos nos dirigir à plataforma 9 ¾ e embarcar nesse Universo de Magia e Fantasia do Griffinn Café e Afins?

Bem-vindos ao Griffinn Café e Afins!!!
Me acompanha nesse Universo de Magia e Fantasia?

Tudo começou do sonho da proprietária Michele de unir duas de suas grandes paixões: o café e o bruxo HP!!! Então, em fevereiro de 2020 ela alugou o espaço, mas por conta da pandemia, só conseguiu inaugurar a cafeteria Griffinn Café e Afins no final de agosto desse mesmo ano. O sucesso foi imediato, com uma lista de reserva bem concorrida, mas no início de março de 2021, também por causa da pandemia, a casa teve que parar de receber o público presencialmente, podendo retornar só na última semana de abril, porém com força total e com muitas novidades…

Fachada do Griffinn Café e Afins

Eu tive a oportunidade de visitar o Griffinn Café e Afins no início de fevereiro, quando havia uma maior flexibilização (nos permitindo usar adereços, inclusive o chapéu seletor – que vou te contar mais pra frente como foi a experiência), e no final de abril, quando estava mais restrito (e os objetos estavam apenas como decoração). Porém, nas duas vezes, todos os protocolos sanitários estavam sendo seguidos para garantir nossa segurança!!!

E na Segunda indo de escada mesmo…rsrs

Vale destacar que grande parte do sucesso do Griffinn Café e Afins deve-se à Poderosa Equipe, formada por uma bruxandade muito atenciosa e receptiva!!! Começando pela Roberta, que nos deu as boas-vindas na chegada; a gerente Bárbara, que nos contou vários detalhes sobre a casa e muitas histórias que vou te falar mais pra frente e as Queridas Bruxas Camila e Ana Beatriz, que nos atenderam e nos levaram para conhecer os diversos ambientes mágicos. Além do Raul e da Larissa, que junto com os outros membros que não estavam presentes na hora da foto, fazem a magia desse lugar acontecer!!! Nossos sinceros cumprimentos e agradecimentos!!!

A Poderosa Equipe de Bruxos da Grifinnória: Raul, Ana Beatriz, Larissa, Camila e Roberta!!!

Agora vamos começar a explorar o Griffinn Café e Afins, que desde a entrada com essa fachada da plataforma 9 ¾ , nos convida a mergulhar no Universo de Magia do Mundo HP. Toda a decoração é importada, inspirada na saga desse bruxo tão amado e é feita com muito capricho e riqueza de detalhes. Até o poste da rua é decorado com palavras mágicas!

Fachada à Noite e durante o Dia…
Cuidado com as Palavras Mágicas…
A Riqueza de Detalhes da Decoração…

Seguindo para os outros espaços, vamos observando os detalhes das paredes, das mesas, do bar. Tudo muito bem pensado para nos envolver nesse clima mágico.

Explorando os ambientes da casa…
A Grande Mesa…
O que dizer dessas tentações?

Na primeira vez que nós fomos, como já mencionei anteriormente, havia uma maior flexibilização, então foi possível soltarmos a imaginação com os adereços de magia!!! E não tem idade para se divertir, até os adultos entram na brincadeira…

Preparada para a Magia…
Os Amigos entrando na brincadeira….

E por falar em brincadeira, uma que foi muito divertida foi a do Chapéu Seletor, que fala a qual Casa da Escola de Magia você pertence: Gryffindor (ou Grifinória), que representa o fogo e seus alunos se destacam pela ousadia, coragem e determinação; a Ravenclaw (ou Corvinal), do elemento ar e suas características marcantes são a inteligência, a prudência e perspicácia; a Hufflepuff (ou Lufa-Lufa), do elemento terra, tendo como destaque a lealdade, a justiça e a dedicação e pra finalizar a Slytherin (ou Sonserina), representando a água e tendo como características dominantes a astúcia, liderança e a ambição. Qual será a sua Casa?

Qual será a minha Casa?

E se você ficar na dúvida a qual casa pertence, pode tirar a prova com o Cupcake Chapéu Seletor, que através da cor do recheio te mostra sua casa: vermelho (Grifinória), azul (Corvinal), amarelo (Lufa-Lufa) e verde (Sonserina). E mesmo se não puder usar o Chapéu Seletor, vale a pena a brincadeira com o Cupcake! A minha Casa se confirmou…

Aposto que esse cupcake atiçou sua curiosidade para saber sobre o Cardápio do Griffinn Café e Afins, não foi? Então prepare-se porque tem muitas delícias te esperando, entre elas o Pão Quadribol de Carne ou Brócolis (para vegetarianos como eu), e as Brusquetas de Presunto Parma e Muzzarela de Búfala.

Para aparecer esses pratos deliciosos!!!
Meu Quadribol Veggie com a Cerveja Amantegada

E entre as bebidas, merecem destaque a famosa Cerveja Amantegada e as Poções Mágicas (Elixir do Amor Próprio, da Sorte, da Vida e da Beleza), que não são alcóolicos e tem efeitos especiais. E entre as bebidas alcóolicas, minha irmã que é a degustadora oficial do blog, também super aprovou as Poções Litha e Yule.  E se você gosta de novidade, experimente também o Café Gelado!

Só pra ir sentindo o Poder das Bebidas…
Preparando as Poções com a Supervisão do Mestre no Quadro…
Pela fumacinha acho que deu certo…kkk
E pra finalizar um Cafézinho Diferente

Agora chegou a hora das sobremesas, e se você é formiguinha como eu, tenho certeza que estava esperando ansiosamente por esse momento… Posso te dizer que valeu a pena esperar porque tem muitas gostosuras, além do Cupcake Chapéu Seletor que mencionei anteriormente, como os deliciosos Bolo Red Velvet e Bolo Gelado de Coco, a Tortinha Gelada Relíquias e o Sapinho dos Bruxos (feito de chocolate belga e que estava maravilhoso – adoramos essa cortesia), entre outros doces maravilhosos!!!

Os olhos da formiguinha brilham com o Red Velvet…
E todas essas gostosuras…
Sapinho dos Bruxos

Com certeza o Griffinn Café e Afins é um lugar muito especial para Celebrar com os Amigos!! Na primeira vez que fomos, tivemos a companhia do Nosso Querido Amigo Fábio, e na segunda vez, nos acompanhou a Querida Amiga Arlete e como esse mundo mágico é muito pequeno, encontramos lá (por uma grata coincidência) a Querida Amiga Sabrina!!! Um brinde à Amizade!!!

As irmãs com o Querido Amigo Fábio…
Com a Querida Amiga Arlete…
E a Querida Amiga Sabrina!
Um Brinde à Amizade!!!

Falando em celebração, o Griffinn Café e Afins tem uma novidade que é a Sala de Cinema¸ um espaço temático exclusivo, preparado especialmente para você reunir seus convidados (no máximo 10 pessoas) e comemorar os momentos especiais. Essa sala funciona mediante reserva por whatsapp para um período de duas horas (no valor de R$ 180,00), com direito a um atendente exclusivo e sessão de cinema com o filme da saga HP que você escolher. Também é possível, no momento da reserva, já escolher os itens do cardápio que vocês vão querer, inclusive o Bolo HP para a festa de aniversário (lembrando que esses itens são pagos à parte do valor da reserva da sala).

Olha só que linda a Sala de Cinema…
Detalhe do Teto da Sala de Cinema…

A Sala de Cinema fica no piso superior, e até a escada, pra chegar até lá, te prepara para o que estar por vir. A decoração é muito bonita e nos transporta para a Biblioteca dos filmes do Harry. E mais uma curiosidade pra você que é fã dele, a Escada da Biblioteca dos filmes e livros do HP foi inspirada na Escada que fica na Livraria Lello, na cidade do Porto, em Portugal (a autora J. K. Rowling morou um tempo em Porto e frequentava essa livraria). E se você quiser saber como é essa escada, e como foi nossa experiência lá é só acessar esse link da postagem sobre Portugal: https://cadaviagemumabagagem.com/as-bagagens-de-portugal/ Ah! Outra curiosidade que você vai descobrir nessa postagem é sobre os uniformes da Escola de Magia, que foram inspirados nos trajes dos alunos da Universidade de Coimbra.

A Escada de Acesso à Sala de Cinema… Pena que a Vassoura está presa…
As Irmãs na Sala de Cinema…
Destalhes da Estante…

Essa Sala de Cinema é realmente um encanto, cada detalhe foi pensado com muito capricho e se você quiser ver mais detalhes dela é só dar uma olhadinha nesse vídeo que postei no nosso Canal no Youtube: https://youtu.be/yIcHyGG5XvY

Lembra que eu te falei que a gerente Bárbara nos contou várias histórias e que eu comentaria com você mais pra frente? Agora chegou a hora!!! Entre várias festas de aniversário e visitas à caráter, um episódio que chamou bastante a atenção da bruxandade do Griffinn Café e Afins foi um Pedido de Casamento… Já imaginou que romântico e simbólico um pedido assim, ao sabor de um Elixir do Amor e um Bolo Red Velvet? Muito fofo, não é? Então já fica essa sugestão para os casais fãs de HP…

Nosso tour vai ficando por aqui, lembrando que o Griffinn Café e Afins fica na Rua Campo Grande, 417 – Alto da Lapa – São Paulo – SP. Mais informações estão no Instagram @griffinncafeeafins e lá também está o link para agendamento de reservas pelo Get In.

Grifinnória Café & Afins

Muita Gratidão pela sua companhia e te espero no próximo post!!! Ah! Se você gostou dessa matéria, compartilhe com seus amigos para que possam se divertir também e siga nossas redes sociais para saber em primeira mão as novidades: Instagram (@cadaviagemumabagagem) e Facebook (https://www.facebook.com/cadaviagemumabagagem/ )  e se inscreva no nosso canal do Youtube (Cada Viagem uma Bagagem): https://www.youtube.com/channel/UC5Q29-MYuWjvPH__wWhF42A

Até a Próxima Magia!!!

Uma viagem super estilosa pela “Arte da Moda – Histórias Criativas” no Farol

Você já deve ter ouvido falar que “A Arte imita a vida”, mas sabia que a Arte é bem mais abrangente, tem muitas outras funções e pode até revolucionar a Moda? Para entender melhor essa influência, te convido a embarcar comigo nessa Viagem Super Estilosa pela Arte da Moda, repleta de Histórias Criativas no Farol Santander.

Antes de começarmos nosso tour fashion, logo na entrada, já fomos recebidos com muito carinho pela Patrícia Audi (vice-presidente executiva de Comunicação, Marketing, Relações Institucionais e Sustentabilidade do Santander Brasil) que falou sobre a Exposição, e como “A Arte da Moda” vem a coroar todo o engajamento e apoio que o grupo Santander disponibiliza ao longo de toda a cadeia produtiva, desde a plantação do algodão até o consumidor final. Ela também nos contou sobre todos os protocolos de segurança que estão sendo adotados para garantir que visita ao Farol seja bem aproveitada.

Entre essas medidas de segurança, estão o tapete sanitizante na entrada, aferição de temperatura, uso obrigatório de máscara, dispensers de álcool gel espalhados pelo prédio e indicações para distanciamento social. Além de ocupação reduzida para 40 % da capacidade e redução do horário de funcionamento do Farol Santander (agora é das 11h às 19h de segunda a sexta).

Ainda no térreo, tivemos a oportunidade de conhecer a Giselle Padoin, que é a curadora da exposição, um doce de pessoa e que nos deu uma verdadeira aula sobre a História da Moda e como esta foi influenciada pelas artes. Além de compartilhar conosco os desafios para montar a Exposição em tempos de pandemia e como é gratificante quando eles são superados e se chega ao resultado final do projeto com uma Mostra tão caprichosa e feita com tanto carinho por todos os envolvidos como essa.

Na Exposição com a Giselle Padoin

Agora sim, vamos nos dirigir para o 20° andar, que juntamente com 19° andar, abrigam a Exposição “A Arte da Moda – Histórias Criativas”, que nos apresenta as relações entre a arte e a moda, de Paris ao Brasil, através de um acervo de aproximadamente 170 itens, com peças da Tarsila do Amaral, Coco Channel, Coleção Rhodia, entre outros itens.

Logo que chegamos no 20°andar somos recepcionados por essa linda pintura, trata-se da obra “O Vestido Verde” (1949), do artista gaúcho João Fahrion, que já nos prepara para o que nos espera na Exposição. Ele fez várias ilustrações de moda e era conhecido por retratar os bastidores desse universo.

“O Vestido Verde” de João Fahrion

Olhando para o lado esquerdo nos deparamos com a Linha do Tempo da Moda, que nos mostra toda a evolução da moda francesa e brasileira e seus grandes nomes desde o final do Século XIX até os dias atuais, como o estilista francês Paul Poiret, que fez o vestido de noiva da Tarsila do Amaral (que vou te mostrar mais pra frente) e que foi um dos grandes responsáveis pela mudança de padrão de beleza feminina da mulher flor (com o uso de corselet apertado) para a silhueta coluna (com os vestidos inspirados no Império Napoleônico). Nessa linha do tempo também estão Yves Saint Laurent que se inspirou na arte para criar essas bijuterias nos anos 60 e 70 e que fazem parte da coleção particular de Rose Benedetti; Zuzu Angel; Jean Paul-Gaultier; Issey Miyake, entre muitos outros.

A linha do Tempo e seus destaques

Um fato marcante da Influência da Arte na Moda foi a chegada do Ballet Russo em Paris na década de 1920, que promoveu a união das artes para criar cenários, figurinos e principalmente o uso de cores mais vibrantes na moda, além de impactar o estilista Paul Poiret, que convidou artistas pra trabalhar no seu atelier. Nessa época, as capas da Revista Vogue passaram a ser ilustradas por artistas no estilo Art Déco, unindo ilustração e moda!

Também estão em exposição no 20°andar um Corset da Coleção “A Costura do Invisível”, de Jum Nakao e Itens Pessoais da famosa Estilista Coco Chanel, que revolucionou a moda propondo o uso de calças e mais conforto nas roupas femininas, motivada, principalmente, pelo fato das mulheres terem que trabalhar no período pós-guerra e necessitarem de roupas mais práticas para isso, sem, contudo, perderem a feminilidade. Entre seus objetos expostos, podemos encontrar o perfume “Chanel nº 5”, sapato, bolsa, camélias, o livro Madame Bovary¸ que muito a inspirou, entre outros itens.

Corset da Coleção “A Costura do Invisível” de Jum Nakao
A poderosa e inspiradora Coco Chanel
E detalhes de seus pertences

E falando em objetos pessoais de mulheres a frente de seu tempo, não poderia deixar de te mostrar a parte da Exposição dedicada à Tarsila do Amaral, que traz Peças do seu Vestido de Casamento, que foi confeccionado pelo estilista Paul Poiret (que já mencionei anteriormente) a partir da cauda do vestido da sogra dela (a mãe do Oswald de Andrade). Além da capa do vestido e do corset, ainda estão expostos caderneta de anotações, leque, pinceis e paleta de cores da Tarsila, entre outros itens e seu Quadro Autorretrato, “Manteau Rouge(1923).

Peças do Vestido de Casamento de Tarsila do Amaral
Quadro Autorretrato, “Manteau Rouge
Na Ala da Tarsila do Amaral

Ainda nesse andar, é possível conhecer três looks da coleção Christian Dior Couture, como esse maravilhoso Vestido Vermelho (Red Dress) do estilista britânico Bill Gaytten, além de fotos do Ateliê DIOR, realizadas pelo fotógrafo francês Gérard Uféras e quatro vídeos dos bastidores dos ateliês de alta-costura.

A glamourosa Coleção Dior

E por falar em ateliê, também é possível (mediante agendamento prévio para datas específicas) participar do Ateliê de Bordados com a designer Fernanda Nadal, para bordar essa grande tela que nos remete ao Pantanal, tendo como símbolo o Tuiuiú e o Ipê Amarelo, e cujo bordado original também está exposto, juntamente com outras amostras do bordado Lunéville, uma técnica francesa de alta-costura utilizadas por ela.

Tuiuiú e o Ipê Amarelo finalizados e a tela pronta para bordá-los na Exposição

A Exposição continua no 19°andar, com uma linda mostra da Coleção Rhodia das décadas 60 e 70, vale lembrar que a partir dessa época, e por iniciativa da Rhodia (empresa francesa), a moda brasileira passou a se unir com a arte e criar looks explorando características genuinamente brasileiras. Além dos vestidos, estão em exposição obras de artistas que inspiraram estampas para a Rhodia e também modelos do tropicalismo.

Coleção Rhodia
E em obras de artistas

Outra Coleção exposta nesse andar é a da Sissa Brasil, da designer Alessandra Affonso Ferreira, que utiliza materiais reciclados e sobras de tecidos para montar seus looks, que são confeccionados em parceria com Renato Imbroisi, através de tecelagem manual em Muquém/MG. E para representar esse trabalho de tecelagem, teve até demonstração no tear.

Coleção da Sissa Brasil da Alessandra Affonso Ferreira
Demonstração no Tear

Falando em reaproveitamento de materiais, a Exposição chama a atenção para pensarmos em sustentabilidade e como será o Futuro da Moda, que, segundo a designer mineira Gláucia Froes, poderá contar com a imprensão 3D.

O futuro da Moda: Roupa em impressão 3D

E pra finalizar essa “viagem” ao universo da moda, você pode criar seus próprios looks com magnetos da história da moda, composto por mini roupas e bonequinhas.

Dá só uma olhadinha no nosso Canal do Youtube pra ver como foi nossa visita à Exposição “A Arte da Moda”: https://youtu.be/CShXRNIhl6k

Você pode aproveitar para visitar também a Exposição Permanente que conta a história do Farol Santander e da cidade de São Paulo (do 2º ao 5º andar) e a Exposição “ExFinito”, do artista Ivan Navarro, que encontra-se no 22º andar e nos convida a percorrer um labirinto onde todos os caminhos nos levam a algum lugar onde poderemos “nos encontrar”. Essa Exposição ficará aberta à visitação até o dia 20 de junho de 2021 e para saber como foi nosso percurso por lá é só acessar o link: https://cadaviagemumabagagem.com/exfinito-um-labirinto-de-possibilidades-no-farol/

Outra Exposição Imersiva que garante muita diversão para a garotada é “O Jardim das Maravilhas de Miró”, que foi inspirada nas obras da série “Maravilhas com Variações Acrósticas no Jardim de Miró”,  do poeta espanhol Rafael Alberti. Essa mostra está no 24° andar e vai estar disponível para a visitação até o dia 15 de agosto de 2021.

O Jardim das Maravilhas de Miró

Lembrando que a Exposição “A Arte da Moda – Histórias Criativas” ficará em exibição até o dia 25 de julho de 2021 no Farol Santander (Rua João Brizola, 24 – Centro de São Paulo – próximo à Estação São Bento do Metrô). Para maiores informações é só acessar o site: www.farolsantander.com.br

E para encerrar essa visita ao Farol, você pode aproveitar para saborear um Delicioso Café no Suplicy Café e visitar a Loja da Cidade (repleta de souvenirs) ambos no Térreo.

Hora do Café…
No Café Suplicy do Térreo

Agradeço de coração sua companhia e te espero na próxima matéria!!! Ah! Se você gostou dessa postagem, compartilhe com seus amigos para que possam se divertir também e siga nossas redes sociais para saber em primeira mão as novidades: Instagram (@cadaviagemumabagagem) e Facebook (https://www.facebook.com/cadaviagemumabagagem/  )  e se inscreva no nosso canal do Youtube (Cada Viagem uma Bagagem): https://www.youtube.com/channel/UC5Q29-MYuWjvPH__wWhF42A

Até a próxima!!!

ExFinito – Um Labirinto de Possibilidades no Farol

Já imaginou caminhar por um labirinto onde todos os caminhos te levam a algum lugar e ao invés de se “perder”, a ideia é se “encontrar”? Essa é a proposta da nova Exposição do Farol Santander: “ExFinito”. Vamos explorar essas possibilidades?

Na Exposição “ExFinito”

Mas antes de começarmos a visita, fomos recebidos com muito carinho pela Patrícia Audi (vice-presidente executiva de Comunicação, Marketing, Relações Institucionais e Sustentabilidade do Santander Brasil) no Café do 26°Andar, onde ela nos contou alguns detalhes da Exposição e também nos passou todas as informações sobre os protocolos de segurança que estão sendo adotados para garantir que visita ao Farol seja bem tranquila.

Patricia Audi e o Curador da Exposição Marcello Dantas

Entre essas medidas de segurança, estão o tapete sanitizante na entrada, aferição de temperatura, uso obrigatório de máscara, dispensers de álcool gel espalhados pelo prédio e indicações para distanciamento social. Além de redução do horário de funcionamento do Farol Santander (agora é das 13h às 19h de terça a domingo).

A Exposição ExFinito, que está instalada no 22º andar do Farol Santander, é a primeira grande mostra individual que o artista contemporâneo chileno Iván Navarro está expondo no Brasil. Lembrando que a mostra conta com a colaboração da artista visual e também companheira de Iván Navarro, Courtney Smith e com a curadoria de Marcello Dantas, que nos atenta para a importância da arte provocativa, para nos deixarmos envolver pelas sensações que ela nos proporciona e viajarmos nesse universo de finitude no infinito.

Essa Exposição ExFinito conta com 14 obras inéditas espalhadas por um labirinto no 22º andar e que foram produzidas especialmente para essa mostra e também a Instalação “Escada (Caixa d’Água)”, que já ficou exposta no Madison Square em Nova York e agora está na Praça Antônio Prado (quase em frente à entrada do Farol Santander). Não deixe de prestar atenção nela antes ou depois de entrar no Farol, é uma ótima oportunidade de conhecermos uma obra internacional, que já encantou outras pessoas em outro lugar do mundo e que agora está aqui a nossa disposição.

Instalação “Escada (Caixa d’Água)”

Enquanto contempla a Instalação “Escada (Caixa d’Água)”, aproveite para imaginar onde essa escada poderia nos levar… Seria uma janela pra uma forma de escape? Uma escada pra levar a uma nova dimensão? Ou outras inúmeras possibilidades, é só deixar por conta da criatividade e se divertir…

Agora voltando para a parte interna da Exposição ExFinito, vamos percorrer esse labirinto com a ideia do artista Iván Navarro de que a obra é para ser vivida e não apenas contemplada, deixando a parte sensorial nos conduzir nessa aventura de entrar numa nova era…

A Exposição ExFinito reflete bem o que estamos vivendo neste momento, uma passagem de era, um labirinto, onde a cada passo podemos encontrar um novo caminho e cada porta que se abre temos um desconhecido a explorar.

No Labirinto das Possibilidades…
“Chaminé (Vermelha)”

Como é possível perceber, na Exposição ExFinito, o artista Iván Navaro utiliza elementos como espelhos, luzes, vidros e, principalmente, a eletricidade para envolver o público no seu trabalho, criando um jogo entre o que existe realmente e o que está sendo visualizado, nos fazendo embarcar na ilusão de um infinito, nos mostrando que o invisível é sensível e não só porque não podemos vê-lo (como no caso da eletricidade) não significa que não exista…  

“Tijolo Vertical (Vermelho)”

Outro ponto bem marcante da Exposição ExFinito é que cada pessoa pode percorrer o labirinto do seu jeito, não existe uma regra de onde ir, nem o que é certo e o que é errado e as obras só existem com as pessoas através da luz e do caminho, simbolizando como cada um é importante para construir o todo. . Para ter uma ideia de como foi minha experiência nesse labirinto dá só uma olhadinha nesse vídeo que postei no nosso Canal no Youtube: https://youtu.be/yLt3huF6LsM

Os caminhos do Labirinto…

Vale ressaltar também que a “repetição” das obras é orgânica e que as luzes podem se perder no vazio, tudo isso feito propositalmente para simbolizar que nem tudo que se repete é constante e que podemos ampliar nossa sensibilidade se olharmos com mais atenção para os detalhes da “repetição” do nosso dia a dia.

A Exposição “ExFinito” ficará em exibição até o dia 20 de junho de 2021 no Farol Santander (Rua João Brícola, 24 – Centro de São Paulo – próximo à Estação São Bento do Metrô). Para maiores informações é só acessar o site: www.farolsantander.com.br.

As diversas cores e possibilidades do “ExFinito”

Você pode aproveitar para visitar também a Exposição Permanente que conta a história do Farol Santander e da cidade de São Paulo (do 2º ao 5º andar) e a Exposição “Revoada”, da artista Flávia Junqueira, que encontra-se no térreo com a Instalação “Revoada” e também no 24º andar com a Instalação “Território Espelhado”, que nos fazem voltar à infância de um jeito muito leve e divertido. Essa Exposição ficará aberta à visitação até 10 de janeiro de 2021. Para saber como foi minha experiência nesse universo mágico é só acessar o link: https://cadaviagemumabagagem.com/revoada-de-cores-na-reabertura-do-farol/

E com essa vista linda do Mirante do 26º andar e do Hall de Entrada vou terminando esse post… Agradeço de verdade sua companhia e te espero na próxima matéria!!! Ah! Se você gostou dessa postagem, compartilhe com seus amigos para que possam se divertir também e siga nossas redes sociais para saber em primeira mão as novidades: Instagram (@cadaviagemumabagagem) e Facebook (https://www.facebook.com/cadaviagemumabagagem/ )  e se inscreva no nosso canal do Youtube (Cada Viagem uma Bagagem): https://www.youtube.com/channel/UC5Q29-MYuWjvPH__wWhF42A

Vista Encantadora do Mirante do Farol Santander
Um Natal de Muita Luz e um Ano Novo de Muitas Bençãos e Alegrias pra todos!!!

Revoada de Cores na Reabertura do Farol

É com muita alegria que te convido a conhecer comigo e visitar presencialmente a Exposição “Revoada”, que estreou no Farol Santander para celebrar sua Reabertura depois de tanto tempo fechado por conta da pandemia.

Entrada do 24º Andar…

Durante o período em que permaneceu fechado para visitas, o Farol Santander passou por uma restauração na fachada, além de toda uma adequação para atender aos protocolos de segurança, com tapete sanitizante na entrada, aferição de temperatura, uso obrigatório de máscara, dispensers de álcool gel espalhados pelo prédio e indicações para distanciamento social.

Lembrando que o horário de funcionamento do Farol Santander foi reduzido (agora é das 13h às 19h de terça a domingo) e também a ocupação para 60% da capacidade. Quem nos passou todas essas informações sobre a adequação e melhorias no prédio foi a Patricia Audi, vice-presidente executiva de Comunicação, Marketing, Relações Institucionais e Sustentabilidade do Santander Brasil.

Logo que entramos no prédio, no Hall de Entrada do Farol Santander¸ nos deparamos com esse Lustre maravilhoso de 13 metros de altura e 1,5 tonelada de peso, composto por mais de 10 mil peças que foram limpas e restauradas durante a pandemia e ao seu redor cerca de 70 balões de vidro, presos ao teto por cabos de aço e medindo de 40cm a 90cm, que compõe a Instalação que também dá nome à Exposição “Revoada”. Cada balão tem um formato (simbolizando a unicidade de cada indivíduo) e uma cor que remete à infância. Além de uma transparência intencional para transmitir suavidade.

Exposição “Revoada”

A Exposição “Revoada” conta com instalações inéditas da artista plástica paulistana Flávia Junqueira,  que buscou através da sua arte trazer uma leveza nesse retorno ao “novo normal”.  Desde a escolha do nome “Revoada” que significa voo de retorno e também dos balões coloridos que simbolizam a leveza, sendo assim, um retorno para algo leve!!! Vale lembrar que a curadoria da exposição ficou por conta de Paulo Herkenhoff e a produção foi de Angela Magdalena (Madai) e Julia Brandão (Ayo).

Com a Artista Flávia Junqueira

A outra parte da Exposição “Revoada”, encontra-se no 24º andar com a Instalação “Território Espelhado”, que nos faz voltar ao infância, nos transportando para um parque de diversão com direito à trilha sonora, cavalos de carrossel, muitos balões e papéis metalizados, tudo isso refletido em espelhos nas paredes e no teto.

Bem-vindos ao Parque de Diversões…
No Território Espelhado

É uma delícia ficar no ambiente do “Território Espelhado”, que foi criado  com a intenção de nos proporcionar alegria (o que realmente acontece) nos fazendo esquecer do tempo… Para ter um gostinho de como foi a experiência nessa Exposição “Revoada”, dá só uma olhadinha nesse vídeo que postei no nosso Canal no Youtube: https://youtu.be/WDU5ToKEjM0

Voltando à Infância na Exposição Revoada

A Exposição “Revoada” ficará em exibição até 10 de janeiro de 2021 no Farol Santander (Rua João Brícola, 24 – Centro de São Paulo – próximo à Estação São Bento do Metrô). Para maiores informações é só acessar o site: farolsantander.com.br

O Lustre e os Balões…

Lembrando que do 2º ao 5º andar tem Exposição Permanente contando a história do Farol Santander e também da cidade de São Paulo e no 22° andar está a Exposição “Devaneios – Os Mundos de JeeYoung Lee”, que como o próprio nome diz, nos convida a mergulhar no mundo dos sonhos e imaginação da artista sul-coreana JeeYoung Lee e que ficará em exibição até o dia 15 de novembro de 2020. Eu fiz uma postagem especial sobre exposição, se você ainda não viu ou quer relembrar é só acessar o link: https://cadaviagemumabagagem.com/entre-constelacoes-e-devaneios-uma-verdadeira-imersao-no-farol/

Exposição “Devaneios”

Essa postagem vai ficando por aqui… Agradeço de coração sua companhia e te espero na próxima matéria!!! Ah! Se você gostou desse post, compartilhe com seus amigos para que possam se divertir também e siga nossas redes sociais para saber em primeira mão as novidades: Instagram (@cadaviagemumabagagem) e Facebook (https://www.facebook.com/cadaviagemumabagagem/ )  e se inscreva no nosso canal do Youtube (Cada Viagem uma Bagagem): https://www.youtube.com/channel/UC5Q29-MYuWjvPH__wWhF42A

Conhecendo o Egito sem sair da cidade na Exposição: Egito Antigo – Do Cotidiano à Eternidade

O que você acha de aprender sobre uma civilização fascinante, conhecer seus costumes, seus Deuses, ver de perto uma pirâmide, tirar uma selfie com a Esfinge a ainda ver uma múmia de verdade sem precisar cruzar o Oceano? Todas essas experiências e muitas outras você pode vivenciar visitando a Exposição “Egito Antigo – Do Cotidiano à Eternidade”, que está no Centro Cultural Banco do Brasil São Paulo (CCBBSP) até o dia 11 de maio de 2020.

Vamos começar nossa visita?

Deusa Sekhmet (Filha do deus Ra)

O encantamento já começa desde a entrada, com a belíssima fachada do Centro Cultural Banco do Brasil (CCBBSP),  que foi inaugurado em 2001, mas o prédio que ocupa é do início do século XX, quando foi construído para abrigar a primeira agência do Banco do Brasil em São Paulo e é considerado um patrimônio histórico, mesclando os estilos neoclássico e Art Noveau. Vale a pena prestar atenção nos seus detalhes arquitetônicos durante a visita como a porta do cofre, o teto, as luminárias, entre outros.

Centro Cultural Banco do Brasil de São Paulo
Fachada do CCBBSP

Agora falando da Exposição “Egito Antigo – Do Cotidiano à Eternidade”, logo no Hall de Entrada já somos surpreendidos com uma Réplica de 6m de altura da Pirâmide de Gizé.  Ao fundo temos um quadro com a foto da Pirâmide Original (que mede 146,7m de altura) e para tornar a visita mais divertida, é possível ver uma Grande Galeria no interior da pirâmide e tirar uma foto com seu rosto na Máscara de Tutancâmon, além de desvendar um enigma (que eu não posso contar aqui, para não estragar a surpresa), mas vale a pena a aceitar o desafio.

Réplica da Pirâmide de Gizé
Pirâmide Vista de Cima

A Exposição “Egito Antigo – Do Cotidiano à Eternidade” ocupa os seis andares do prédio do CCBBSP e reúne 140 peças originais vindas do Museu Egípcio de Turim, na Itália, considerado o segundo maior acervo egípcio do mundo e quem nos deu uma perfeita aula, nos conduzindo por essa viagem à cultura egípcia foi o Curador Pieter Tjabbes¸ que é apaixonado por arte desde a infância, por influência de seu avô que abria livros de arte e mostrava para ele desde pequeno. Achei uma dica excelente para incentivar as crianças a gostar de arte e não podia deixar de compartilhar aqui…

A visita começa no 4º Andar, na Seção Amarela (cor do Sol), que retrata A Vida Cotidiana dos egípcios, por meio de um vídeo e vários objetos daquela época. A cor amarela foi escolhida para representar o cotidiano por estar relacionada ao Sol, que traz vida para as plantas e também porque o Deus-mor era representado pelo Sol, além de estar associada ao ouro (cor da pele dos deuses). Nessa sala encontramos desde vasos, tigelas, até maquiagem, como o kohl (que era uma mistura preta aplicada no contorno dos olho pra proteger contra poeira, diminuir o impacto do sol e servir como estética e que era usado tanto por mulheres quanto pelos homens).

Vasos, representação do Cozinheiro e tigela
Detalhe do Kohl

Nessa Seção Amarela da Vida Cotidiana, também encontramos fragmentos de estátuas de reis e sapatos,  sendo que esse calçado era uma espécie de sandália pra entrar na parte sagrada do templo, lembrando que somente o faraó, seus familiares e sacerdotes que poderiam entrar, ao povo só era permitido observar do lado de fora na parte pública. A maioria dos objetos que estão nessa sala foram encontrado em tumbas, porque era costume colocar junto com o corpo do falecido tudo que a pessoa fosse precisar no outro plano e tanto poderia ser uma escultura quanto desenho, porque para os egípcios o desenho era a representação fiel daquilo, significando que existia de fato. Por isso são encontradas representações de comida, bebida, dos profissionais que precisariam ter (como cozinheiros e escribas),além de joias e estátuas do Casal Abraçado para que pudessem estar juntos na outra vida. E em virtude da quantidade de objetos nas tumbas, roubá-las era algo corriqueiro no Egito.

Estátuas de Reis e Sandália

Vamos agora para o  3º andar, onde está a Sala verde da Religião. Essa cor foi escolhida por representar a cor da pele de Osíris (Deus dos Mortos) e o tom do papiro (fabricado com uma planta conhecida como Nilo, que crescia na água e significava nova vida).  A religião permeia toda a história egípcia e é marcada por ser politeísta, com culto a vários deuses, desde as divindades maiores até as menores. Logo que entramos nessa sala, vemos Modelos de Templos¸ onde havia a prática dos cultos oficiais. Lembrando que os templos eram divididos em espaços públicos e sagrados (como mencionei anteriormente), sendo que logo na entrada (na parte pública) é comum ter uma praça com estátuas de deuses bem iluminadas, e à medida que vai adentrando ao templo, sua luz diminui quando chega mais perto da parte sagrada onde está o deus a quem aquele templo é dedicado e somente o sacerdote e o faraó podem entrar.

Vitrine dos deuses egípcios

Na visita  à Sala Verde – Religião também aprendemos que os Deuses Egípcios muitas vezes assumiam a Forma Animal, e nesse caso, o animal que representava determinado deus era adorado, considerado a reencarnação do próprio deus e até mumificado como forma de oferenda. Por essa razão, foram encontradas várias múmias de gatos em homenagem à deusa Bastet, múmias de cães para o deus Anúbis, de falcões para o deus Hórus e íbis para o deus Thoth.

Múmia de Animais
Múmias de Ibis e Falcão

Falando em gatos, eles viviam nos templos e eram tratados como deuses. Quando eram mumificados, quem vendia essas múmias eram os próprios os sacerdotes, e se a pessoa quisesse  que um pedido maior fosse atendido tinha que ofertar um pouco mais como o gato mumificado num sarcófago e também oferecer  ouro. Há rumores que muitos gatos foram mortos para serem mumificados mais rápido diante da alta  procura por oferendas e uma pesquisa do Museu de Turim, ao fazer RX das múmias descobriu que muitas dessas só tinham pedaços ou nada de animais…

Outra curiosidade que aprendemos na exposição é que no final do século XIX e início do século XX houve a chamada Egiptomania, que era um fascínio por tudo que se referia ao Egito. O que trouxe muita contribuição para as artes, cultura, literatura, arquitetura e diversas outras áreas. Mas que também teve um lado negativo, pois tiravam os tecidos das múmias para fazer poções magicas.

Continuando nosso tour pela Exposição Egito Antigo, no hall do 2º andar, encontrarmos a uma estátua belíssima da deusa Sekhmet, conhecida como leoa selvagem e filha do deus Rá. Diz a lenda que Rá ficou com raiva dos humanos e como forma de punição colocou sua filha pra destruir a humanidade, devorando todos homens, porém ele ficou com remorso, mas Sekhmet não queria parar porque adorava o sabor de sangue, então ele mandou dar a ela um balde de cerveja tingido de sangue, ela tomou, ficou bêbada e quando acordou no dia seguinte esqueceu da sua missão. Os cervejeiros de plantão vão adorar saber que foi a cerveja que salvou a humanidade.

Deusa Sekhmet

Ainda no hall do 2º andar, podemos observar vários objetos como Blocos de Pedras, com Estela que são escritos sobre os mortos, com cenas esculpidas, que contavam a história dessa pessoa. Vale lembrar que as pedras eram feitas em linha de produção (como as múmias de animais que comentei anteriormente) e depois que era gravada a história. Também encontramos ali uma Esfinge, que consiste num corpo de leão com a cabeça de humano e muitos  Fragmentos de Estátuas, como a do deus Ápis (cabeça de touro), a Estátua de Amenmose e a Cabeça de Sacerdote, entre outros.

Bloco de Pedra – Estela de Tutmés III

Agora estamos em um dos lugares mais esperados dessa Exposição, a Sala Azul da Eternidade e também da Escuridão (que fica no 2º andar).  A cor azul foi escolhida por representar a eternidade para os egípcios e também por ser a cor do lápis-lazúli, um mineral precioso muito importante para eles. E a Escuridão acontecia quando a deusa Nut engolia o Sol, também está ligada ao reino dos mortos e ao interior da tumba (que era bem escuro). Logo que entramos já vamos conhecer o Livro dos Mortos que era escrito em uma faixa de papiro, contendo várias rezas, e servia para proteger a alma da pessoa desde a passagem para o mundo dos mortos até o último julgamento. Esse livro aqui mede 3 metros e foi achado em uma tumba, mas poderia ser maior (o recorde encontrado foi de 14 m).

Livro dos Mortos

E falando em último julgamento, um dos critérios utilizados era o peso da alma, isso mesmo, a alma era pesada pelo coração e se estivesse mais pesado que uma pena de avestruz, a pessoa não se salvaria. Uma cena desse julgamento final é o que podemos ver nesse Detalhe do Livro dos Mortos.

Último julgamento em detalhe no Livro dos Mortos

É aqui também na Sala Azul da Eternidade que encontramos uma múmia humana (feminina) da 25ª dinastia: a múmia de Tararo.  A mumificação acontecia para proteger o corpo para continuar a vida após morte, mas no início não era assim, os corpos eram enterrados agachados e sem mumificar, só com o passar do tempo é que adotaram esse processo ao descobrir que quando se enterrava no deserto o corpo secava e ocorria a mumificação natural.

Múmia de Tararo

Falando um pouco mais sobre o processo de mumificação, ele consiste num período de 660 dias de mumificação com sais, sendo que as entranhas eram retiradas, tratadas, guardadas em vasos e colocadas junto na tumba, e o coração recolocado no corpo por ser considerado a casa da alma.  A princípio, só os faraós eram mumificados, depois os ricos e alguns sacerdotes. Os túmulos eram vigiados e protegidos porque acreditava-se que se acontecesse algo com a múmia ou ela fosse destruída, a alma também seria. Outra coisa para garantir a proteção na outra vida era fazer o caixão ou sarcófago em formato humano e pintar o retrato da pessoa e cenas do que ela fosse precisar, além de colocar pequenas estátuas e amuletos, formando uma mini tumba. Ah! Existe diferença entre sarcófago (que é de pedra) e caixão (que é de madeira) e muitas vezes sarcófago serve para abrigar o caixão.

Caixão Pintado
Detalhes da Pintura Interna

Continuando nossa visita, encontramos uma linha do tempo, com a História Egípcia, desde 3900 a.C (período pré-dinástico) até 395 d.C. (período romano) e também vários Elementos das Tumbas, como o Portão com cenas de quem estava enterrado ali e de tudo que ele precisaria no outro plano e a Mesa de Oferendas, onde as pessoas poderiam deixar suas oferendas e a alma viria buscar.

A Linha do Tempo do Egito Antigo

Também encontramos no  Hall do 1º andar, outros  Elementos das Tumbas como a Pirâmide de Khonsu,  que é o topo da Pirâmide, lembrando que  essas são vazias por dentro e os caixões são enterrados abaixo, a Porta Cega ou Falsa que era colocada contra a parede para que a alma pudesse passar por ali, enquanto esperava na tumba pelo julgamento final e a  Pedra que fecha a Pirâmide, que nesse caso é a Estela de Abkau, com escritas sobre o falecido e cenas de abraço, com comida e empregados, entre outras.

Os egípcios eram muito práticos, então quem tinha dinheiro já começava a construir desde cedo sua tumba para mostrar seu poder. Falando em tumba, vamos conhecer agora (ainda no  1º andar)  a representação da Tumba da Rainha Nefertari¸ que foi mulher de Ramsés II e desenvolveu um papel muito importante na governança  do país.  A réplica dessa tumba (que é considerada a Capela Sistina do Egito) foi feita com maestria e perfeição por Silvio Galvão.

Tumba da Rainha Nefertari
Detalhes da Tumba

Como já passamos pelo Térreo e conhecemos a Pirâmide de Gizé logo na entrada, vamos seguir para o Subsolo, onde encontramos a Simulação de uma Escavação para nos mostrar como é feito e como é importante do trabalho dos arqueólogos para desvendar nosso passado.

Simulação de Escavação
Detalhes da Escavação

Falando em desvendar o passado, vamos voltar um pouquinho na História, em 1798, Napoleão Bonaparte mandou invadir o Egito e fazer um mapeamento da região. Então mandou fazer livros grandes com gravuras retratando o que foi encontrado, apesar da possibilidade de haver algum exagero ou invenção, esses livros ajudaram muito. Ao todo são 20 livros com mais de 3000 gravuras, incluindo esculturas, monumentos, paisagens e objetos em geral. Ainda no subsolo, além da  Exposição de Gravuras do Egito Antigo, também há um livro eletrônico, no qual você pode navegar para conhecer mais dessas gravuras.

Exposição de Gravuras do Egito Antigo

E para fechar com chave de ouro nossa visita, vamos tirar uma Foto com a Esfinge¸ representada pelo corpo de leão (que incorpora a energia solar), com a cabeça do Rei, simbolizando a divindade deste (que é considerado o filho do deus Sol Ra). As esfinges eram colocadas na entrada das tumbas para garantir o ciclo solar na vida após a morte, ou seja, o renascimento.

A Esfinge e Eu

Vale lembrar que a Exposição “Egito Antigo – Do Cotidiano à Eternidade” está no Centro Cultural Banco do Brasil São Paulo (Rua Álvares Penteado, 112 – Centro – São Paulo) até o dia 11 de maio de 2020, de quarta à segunda das 09h às 21h. A entrada é gratuita e os ingressos podem ser adquiridos na bilheteria, mas somente se houver disponibilidade, então para garantir sua visita você já pode reservar a data e horário pelo site: https://www.eventim.com.br/artist/egito-antigo/

Agradeço sua companhia nessa visita e te espero na próxima postagem, onde volto a falar do Canadá, mais precisamente de Ottawa. Tenho certeza de que você vai se surpreender com as belezas desse lugar. Até lá!

Ottawa

Entre Constelações e Devaneios: Uma verdadeira imersão no Farol

Meu convite de hoje é para mergulharmos no mundo mágico dos sonhos e nos tornarmos estrelas no meio de uma galáxia. Você deve estar se perguntando do que eu estou falando e como isso é possível, não é mesmo? Mas calma que a resposta já vem, é só me acompanhar nessas duas Exposições Encantadoras que estão no Farol Santander até o dia 03 de maio de 2020.

Vamos começar nossa imersão?

Antes de iniciar nosso tour, te convido a apreciar essa vista incrível da cidade de São Paulo, do 26º andar do Farol Santander. Eu não resisto e toda vez que venho nas exposições, faço questão de ficar uns minutinhos aqui contemplando a paisagem…

A vista encantadora do Farol

Foi aqui no Café do 26º andar  que fomos recebidos com muito carinho pela Patricia Audi (vice-presidente executiva de Comunicação do Santander) e pelo Antonio Curti (curador da Exposição Constelação), bem como pelo Carlos Trevi  (coordenador geral do Santander) e pelo Facundo Guerra  (diretor artístico da Exposição Devaneios), que já nos inseriram no contexto das duas mostras e nos fizeram recordar importantes exposições das mais de 14 sediadas aqui desde a reabertura do Farol em 2018, algumas dessas você pode revisitar no nosso blog, como a da Tarsila para Crianças (https://cadaviagemumabagagem.com/farol-santander-para-todas-as-idades-da-tarsila-para-as-criancas-ate-o-bar-do-cofre-para-a-maioridade/) e a do “Contemporâneo Sempre” (https://cadaviagemumabagagem.com/uma-viagem-pela-arte-brasileira-na-exposicao-contemporaneo-sempre-colecao-santander-brasil/), entre outras.

No Café do 26º Andar…
Antonio Curti e Patrícia Alves
Facundo Guerra e Carlos Trevi

Agora sim, vamos para o  23º andar começar nosso mergulho na galáxia da Exposição Constelação – Somos Todos Feitos de Luz”,  da artista visual croata Maja Petric. Essa exposição foi considerada uma das melhores do mundo em 2019 e tem o grande diferencial de apesar de ser digital, precisar da interação do público para ser concluída.

Exposição “Constelação – Somos Todos Feitos de Luz”

A Exposição Constelação – Somos Todos Feitos de Luz” é feita de um tecido customizado pela artista, no qual são projetadas as silhuetas das pessoas e seus movimentos que vão sendo registrados através de Inteligência Artificial para compor uma constelação, com um jogo de luzes que forma uma obra belíssima. A sensação é de estarmos mesmo numa galáxia de estrelas, fazendo parte dela!!!

Um ser de Luz no Universo…

E a ideia da exposição como o próprio nome diz “Constelação – Somos Todos Feitos de Luz” é nos despertar para a reflexão de que fazemos parte da luz do Universo e a maneira como influenciamos e somos influenciados a todo o momento, ou seja, o que acontece nessa obra: como meu movimento e minha luz refletida é alterada e ao mesmo tempo altera a luz da pessoa que está ao meu lado para formar uma constelação…

Somos Todos Feitos de Luz…

Vale lembrar que a artista Maja Petric é conhecida por utilizar em seus trabalhos de arte digital, uma mescla de arte imersiva, inteligência artificial e esculturas de luz para proporcionar ao público uma fuga da realidade, o transportando para outros contextos, como a galáxia nessa exposição. Além de reforçar que a tecnologia não substitui o ser humano, ao contrário, depende dele, pois as estrelas dessa instalação só se formam a partir do movimento humano… Ela ainda gosta de usar a tecnologia para mostrar a natureza e demorou apenas três semanas para construir essa obra, que vai se modificando, à medida que cada gesto refletido aqui deixa um rastro para o próximo visitante… Tudo isso cativou não só ao curador dessa Exposição, o Antonio Curti, mas a todos nós visitantes, inclusive a queridíssima apresentadora e atriz Mel Fronckowiak!!!

Com o Antonio Curti
E com a Mel Fronckowiak

Se você já gostou das fotos, dá só uma olhadinha nesse vídeo que postei no nosso Canal no Youtube para ter uma ideia de como é mágico fazer parte dessa Constelação https://youtu.be/Yode9eariH4

E pra finalizar essa Exposição “Constelação”, é importante dizer que é proibido tocar na obra e tirar fotos com flash. Porém é permitido se deixar levar pela sensação incrível de ser uma estrela, uma verdadeira luz no Universo!!!!

No Universo das Constelações

Continuando nosso tour pelo Farol, vamos descer para o 22° andar, onde está a Exposição “Devaneios – Os Mundos de JeeYoung Lee”, que como o próprio nome diz, nos convida a mergulhar no mundo dos sonhos e imaginação da artista sul-coreana JeeYoung Lee, que é conhecida por seus cenários dos sonhos, que são construídos por ela para fazer suas fotos e estas é que são expostas. Porém essa Exposição Devaneios nos permite, além de contemplar as fotos, entrar nos próprios cenários.

Com a Artista JeeYoung Lee

Falando em cenários, a primeira instalação da Exposição “Devaneios – Os Mundos de JeeYoung Lee” é The Panic Room” (ou“O Quarto do Pânico”), que representa as memórias dos lugares que Jee gostava de brincar na infância, como o armário, que era seu esconderijo secreto, entre outros objetos, sempre carregados de muita simbologia.

O Quarto do Pânico
O Escodenrijo Secreto, vulgo “Armário”
Adentrando ao Quarto do Pânico…

Só pra você ter uma ideia da dimensão da maquete do Quarto do Pânico, sua medida é de 7,10m por 9m e foi especialmente construída pra essa exposição, usando recursos de Op Art para criar ilusões de ótica. Olha só esse vídeo pra ter um gostinho de como é esse cenário: https://youtu.be/l2PzJH3cT2Y

Visão Geral do Quarto do Pânico
E seus detalhes

Vale lembrar que a Exposição Devaneios, contou com a direção artística de Facundo Guerra, que ficou impressionado com o trabalho da artista JeeYoung Lee e teve a ideia de trazê-la para o Brasil. Ideia essa que teve todo o apoio de Carlos Trevi (coordenador geral do Santander) e também da Patricia Audi (vice-presidente executiva de Comunicação do Santander).

Com o Facundo Guerra

Seguimos agora para a outra instalação “My Chemical Romance(ou “Meu Romance Químico”), que foi inspirada nos dutos que a Jee via em seu bairro, Mangwondong, em Seul (Coréia do Sul) e busca traçar um paralelo entre a complexidade da relações humanas com a  imagem da canalização dos dutos, que forma uma espécie de labirinto.

Meu Romance Químico
Mergulalhando nesse Labirinto…

A instalação “Meu Romance Químico” ainda consegue ser maior que a primeira (medindo 7,30m x 9m) e foi construída com tubos de PVC pintados de preto e amarelo, inspirados naquelas faixas de segurança que indicam aviso e perigo. O que simbolicamente se refere às emoções humanas, como medo, ansiedade, frustrações, entre outros sentimentos. O cenário é tão perfeito que tem até efeitos sonoros. Juro que não foi planejado, mas a minha roupa combinou perfeitamente com o espaço, fazendo com que me sentisse mais envolvida nessa imersão… Dá só uma olhada nesse vídeo no nosso Canal do Youtube para sentir como foi essa experiência: https://youtu.be/KeaXsCHzfX0

Camuflada no Cenário

A última parte da Exposição Devaneios consiste nas Fotos nos Cenários criados por JeeYoung Lee, frutos de sua imaginação e criatividade, permitindo ao mundo mergulhar junto com ela no seu universo de sonhos e fantasia. Aqui podemos ver como ficou a Foto no Meu Romance Químico

“Meditação”
“Meu Romance Químico”

Vale lembrar que essas duas exposições Constelações e Devaneios ficarão em cartaz até o dia 03 de maio de 2020, no Farol Santander, que funciona de terça a domingo das 9h às 20h e fica na Rua João Brícola, 24 – Centro (estação São Bento – linha 1, azul do metrô). Os ingressos custam R$25 e para saber mais informações é só conferir no site: farolsantander.com.br .

Agradeço de coração sua companhia, espero que tenha gostado das dicas e que possa aproveitar muito sua visita ao Farol!!! Te aguardo na próxima postagem!!! Até lá!!!

Farol Santander para todas as idades: da Tarsila para as Crianças até o Bar do Cofre para a Maioridade

Sei que você estava esperando mais uma postagem sobre o Canadá, mas preciso fazer esse parêntese com uma super dica para quem está em São Paulo aproveitar as férias que estão começando…

Se você vai estar pela Capital Paulista nessas férias, aproveite para visitar o Farol Santander, que além de oferecer uma vista linda da cidade, conta com exposições interativas muito legais e uma excelente opção para um happy hour no Bar do Cofre!

Me acompanha nessa postagem que vou te passar todos os detalhes…

Olha só que vista incrível do Farol Santander

Vamos começar nosso passeio voltando a ser criança, mergulhando no universo das obras da grande artista Tarsila do Amaral, na Exposição “Tarsila para Crianças”, que ocupa os andares: 19° e 20° com sete estações temáticas, que buscam de uma forma bem lúdica e criativa estimular as crianças a interagir e fazer parte das obras, despertando, dessa forma, uma nova maneira de enxergar a arte.

A Exposição “Tarsila para Crianças” foi feita com muito carinho e dedicação econta com a curadoria da Tarsilinha (Tarsila do Amaral – sobrinha neta da artista), Karina Israel e Patrícia Engel Secco, que foram muito atenciosas e nos fizeram adentrar ainda mais nesse mundo mágico da Tarsila. A produção ficou por conta da YDreams Global, que caprichou na riqueza de detalhes.

As Curadoras da Exposição
Na Casinha dos Gatos com a Tarsilinha

Iniciando pelo 20° andar, vamos conhecer a Vila dos Sentidos, que é formada por várias casinhas representando a infância da Tarsila na fazenda São Bernardo, todas elas cercadas por cestos de frutas, que remetem ao quadro “A Feira”. Cada uma dessas casinhas traz algo importante relacionado a sua infância como sua caixinha de música, bonecas, fotos de família, entre outros itens e a casinha que eu mais gostei que faz homenagem aos seus gatinhos de estimação, ela tinha mais de 40 gatos (já era sua fã e sabendo disso passei a admirá-la ainda mais)…

A Vila dos Sentidos
Detalhe da Casinha dos Gatos
Com os Quadros Inspiradores “A Feira I” e “A Feira II” na Exposição “Tarsila Popular” no MASP

Ao lado dessa vila, fica a “Toca da Cuca”, que é um espaço bem imersivo, com uma espécie de cama de gato para a criançada se divertir e chegar até a projeção de um pega-pega com os animais fugindo da Cuca. Essa instalação foi inspirada no quadro “A Cuca”.

A Toca da Cuca
Quadro “A Cuca” que estava na Exposição “Tarsila Popular” no MASP

 Também nesse andar fica o “Universo Tarsila”, que é um espaço onde a criançada pode deixar seu lado artístico falar mais alto, tendo a chance de colorir os elementos das obras da Tarsila e ver seu trabalho projetado na parede interativa. A inspiração para essa estação veio do quadro “Cartão Postal”.

Quadro Original “Cartão Postal” da Exposição “Tarsila Popular” do MASP

E agora chegou o momento em que as crianças de todas as idades poderão mergulhar na “Floresta Negra”, que é uma instalação inspirada no quadro “Floresta”, onde há um ninho de almofadas, simbolizando os ovos arroxeados da pintura, no qual você pode se jogar sem medo de ser feliz…

Instalação “Floresta Negra”
Me divertindo na Piscina de Almofadas…
Quadro “Floresta” da Exposição “Tarsila Popular” do MASP

Ao lado dessa instalação, fica outro point instagramável que é O Touro, inspirado no quadro de mesmo nome e que simboliza o guardião da floresta, que usa seu mugido para protegê-la de qualquer perigo!!

A Instalação “O Touro” e…
O Quadro Original “O Touro” da Exposição “Tarsila Popular” do MASP

Vamos agora para o 19° andar onde está o “Jardim Afetivo”, que é uma instalação bem sensorial, nos convidando a sentar no jardim e contemplar animações e sons de quatro grandes obras da Tarsila: “O Sapo”, “A Boneca”, “Paisagem com Touro I” e “Estação de Ferro (E.F.C.B)”, lembra quando falei desse último quadro quando visitamos o Museu Ferroviário e a linha férrea em Paranapiacaba? (se ainda não viu ou quer relembrar dá uma olhadinha nessa postagem: https://cadaviagemumabagagem.com/um-mergulho-historico-em-paranapiacaba/).

O “Jardim Afetivo”
Colagem dos Quadros Originais: “O Sapo”, “Paisagem com Touro I”, “A Boneca” e “Estação de Ferro – E.F.C.B” que estavam na Exposição “Tarsila Popular” no MASP

Em frente ao Jardim Afetivo está a estação “As Cores de Tarsila”, que contempla as principais cores da paleta utilizada pela Tarsila (azul puríssimo, rosa violáceo, amarelo vivo e verde cantante), com direito a dois balanços centrais que através de seu movimento geram projeções no chão de misturas de cores como se fossem pincéis… Essa instalação também foi inspirada no quadro “A Feira I”.

“As Cores da Tarsila”
Detalhe e inspiração dessa estação

Eu sei que você já estava se perguntando e sentindo falta da obra-prima da Tarsila do Amaral, não é mesmo? Mas calma que chegamos na estação “Papo com Abaporu”, que engloba três importantes obras da artista: “Abaporu”, “Sol Poente” e “A Lua”.

Estação “Papo com Abaporu”

Vamos começar no “Papo com Abaporu”,  que consistem em dois totens touchscreen que permitem fazer perguntas para a reprodução gigante do quadro Abaporu. Vale lembrar que o quadro “Abaporu” é o símbolo do modernismo brasileiro e do movimento antropofágico, sendo considerado uma das obras mais importantes do país!!!

Não podia perder a chance de tirar uma foto com o Abaporu!!!! Até minha roupa combinou com a Instalação…
Quadro Original “Abaporu” da Exposição “Tarsila Popular” do MASP

Também fazendo parte dessa estação, temos a instalação “Sol Poente”, inspirada no quadro de mesmo nome, que consiste num cenário instagramável com círculos laranja ao fundo e puffs espalhados pelo chão simbolizando os animais retratados na obra original.

A Estação “Sol Poente”
E meu look combinando com o cenário…. Foi sem planejar, mas adorei a coincidência….

E pra finalizar a estação, vamos na instalação “A Lua”, que também foi inspirada no quadro de mesmo nome e conta com um balanço representando a Lua retratada na obra original da cor do sol iluminando os campos, as montanhas e o rio!!!

“A Lua” – O Quadro e a Instalação
A Lua e Eu…

Se você se encantou com tudo que viu até agora, aproveite para visitar a exposição “Tarsila para Crianças” que ficará até o dia 02 de fevereiro de 2020 de terça a domingo (das 9h às 20h) no Farol Santander (19° e 20° andares).

Agora vamos subir para o 22° e 23° andares para conhecer a exposição “Etnos – Faces da Diversidade”, que conta com a curadoria de Marcello Dantas e procura nos revelar diversas culturas através de suas máscaras. Isso mesmo, vamos fazendo uma viagem cultural ao redor do mundo pelas máscaras de suas tradições, como Leão Chinês, muito utilizado em festividades na China. A cultura colombiana é muito bem representada pelas máscaras Chakira, Tigre e a Marimonda (essa última é figura confirmada no carnaval do país).

Com o Leão Chinês da Exposição “Etnos-Faces da Diversidade”
Máscaras Colombianas: Chakira, Tigre e Marimonda

Também estão presentes máscaras da Tailândia, como a da divindade Ganesha,  a máscara da Águia do Canadá simbolizando poder, a da Medusa  da Islândia, entre muitas outras que estão expostas.

Com “Ganesha”
Visão Geral das Máscaras da Exposição “Etnos – Faces da Diversidade”

A exposição “Etnos – Face da Diversidade” também é bem interativa, tem  telas onde você mesmo escolhe sua máscara e vê como ficaria. Tem uma sala com várias máscaras para você escolher e tirar várias fotos (é diversão garantida com a turma). Além de várias máscaras com espelho no centro do 22º andar para você se ver com essas máscaras, como, por exemplo, a do Darth Vader que eu escolhi…

Me divertindo com várias Faces…
Na Sala das Máscaras….
Momento Darth Vader…

Vale lembrar que essa exposição “Etnos – Faces da Diversidade” vai ficar em cartaz até o dia 05 de janeiro de 2020.

Te convido a subir mais dois andares para visitar a exposição “Contemporâneo, Sempre – Coleção Santander Brasil”, que está no 23° e 24° andares e nos apresenta obras belíssimas de diversos períodos da história brasileira. Fiz uma postagem especial sobre essa exposição, se não viu ainda ou quer relembrar é só clicar no link: https://cadaviagemumabagagem.com/uma-viagem-pela-arte-brasileira-na-exposicao-contemporaneo-sempre-colecao-santander-brasil/ . Vale lembrar que essa exposição vai ficar até o dia 05 de janeiro de 2020.

Exposição “Contemporâneo, Sempre – Coleção Santander Brasil”

Aproveite também para visitar no Hall de Entrada, a exposição “Machado de Assims”, que conta com a curadoria de Marcello Dantas e faz uma homenagem a esse grande escritor brasileiro. A exposição é bem interativa, num ambiente de uma grande biblioteca, em formato de duas vírgulas, conta com projeções do próprio Machado de Assis declamando trechos de suas obras, também é possível passar os livros em um leitor de código de barras e ver quais as palavras mais citadas nessa obra, entre muitos outros elementos que nos convidam a conhecer e querer mergulhar ainda mais no universo desse grande autor!!!

Biblioteca da Exposição “Machado de Assims”
Projeção com declamação de Machado de Assis

E a exposição recebeu esse nome: “Machado de Assims”, para mostrar os diversos “assims” do Machado, ou seja, seus diversos modos de ver a vida e também sua trajetória bem eclética, desde menino vendedor até o grande literário!!!

O formidável Machado de Assis

Mas corre que essa exposição “Machado de Assims” só ficará em cartaz até o dia 12 dezembro de 2019.

Vale lembrar que do 2° ao 5° andar estão as exposições permanentes e que contam a história do Farol Santander e também da cidade em geral e no 26° andar fica o Mirante, que nos presenteia com essa vista encantadora da capital paulista!!!

Linda Vista do Mirante de um lado…
E do Outro…

E para acompanhar esse visual nada melhor que uma pausa para o café no Suplicy Café, que também fica no 26º andar.

Lembrando que o Farol Santander funciona de terça a domingo das 9h às 20h e os ingressos custam R$25 (inteira), mas tem desconto para clientes Santander e também meia-entrada. Mais informações estão no site: www.farolsantander.com.br.

E como falei no título da postagem, o Farol Santander é para todas as idades, inclusive para os maiores que querem fazer um happy hour… Nesse caso, minha sugestão é o Bar do Cofre…

Isso mesmo, já imaginou a sensação de estar dentro de um cofre? Passar por aquelas portas redondas super seguras que pesam cerca de 16 toneladas, olhar ao redor e ver que todas aquelas caixinhas são cofres que guardavam tantas histórias por trás dos bens que armazenavam… Foi pensando em nos proporcionar essas experiências que o Farol Santander junto com o Sub Astor inauguram o Bar do Cofre, num espaço de 500 m2 do cofre do banco que foi totalmente restaurado para abrigar o bar!!!

Olha só o tamanho da Porta do Cofre….
Ambiente dos Cofres Menores…
Detalhe das “caixinhas” (cofres)

O Bar do Cofre tem capacidade para até 100 pessoas em vários ambientes bem aconchegantes e o funcionamento é de quinta e sexta das 17h à 1h, de sábado das 14 à 1h e de domingo das 14h às 20h. Lembrando que como o bar é disputado é bom chegar cedo (logo que abre) para conseguir lugar, caso não tenha feito reserva pelo site (que geralmente abre com 15 dias de antecedência). Para saber mais detalhes é só olhar as páginas: https://farolsantander.com.br/#/sp/o-farol/bar e https://www.subastor.com.br/bardocofre.

Ala dos Cofres Grandes…
Os Drinks e o Bar do Cofre…

Aproveite que o final do ano está chegando, reúna a turma para uma visita ao Farol Santander e um brinde no Bar do Cofre. Cheers!!! Saúde!!! Santé….

Um Brinde com as Amigas: Cláudia, Ane, Marcela e Eu!!!

Espero que tenha se divertido com essa matéria e te espero no próximo post onde voltaremos a falar do Canadá e vamos visitar as Cataratas do Niagara (Niagara Falls)!!! É só clicar no link e me acompanhar nessa aventura: https://cadaviagemumabagagem.com/ao-encontro-das-cataratas-niagara-falls/ Vamos?

Preview da Próxima Postagem… Niagara Falls!!!

Uma viagem pela Arte Brasileira na Exposição: Contemporâneo, Sempre – Coleção Santander Brasil

Já pensou em fazer uma viagem por 70 anos da Arte Brasileira, num mesmo espaço, através de obras abstratas, de paisagens e também de retratos? Esse é o convite da Nova Exposição do Farol Santader: Contemporâneo, Sempre – Coleção Santander Brasil. Me acompanha nessa viagem?

A curadoria dessa exposição ficou por conta do Agnaldo Farias e do Ricardo Ribenboim, que tiveram a difícil missão de escolher entre mais de duas mil obras do Acervo do Santander, 64 para compor essa mostra! E entre os parâmetros para a escolha eles utilizaram o período e a técnica. O trabalho deles foi realmente excelente!!!! Além da incrível aula que nos proporcionaram durante a visita monitorada, que também contou com a presença da Patrícia Audi, vice-presidente de Comunicação do Santander.

Trio Fantástico!!!

A Exposição Contemporâneo, Sempre ocupa o 24° do Farol Santander e está dividida em Abstração, Retrato e Paisagem. Vale lembrar que as obras dessa mostra foram apostas, porque foram adquiridas logo após sua produção e antes de se tornarem famosas, fazendo com que o Banco se tornasse um tipo de cúmplice, um fomentador desses projetos.

Logo na entrada da Exposição, já somos recepcionas por obras abstratas de Arcangelo Ianelli, Tomie Othake e Alfredo Volpi, estrangeiros que contribuíram muito para a arte brasileira. A forma como essas obras foram dispostas nos faz enxergar um elo entre elas, na primeira há uma sobreposição e na segunda parece que a obra se abre e fecha-se o ciclo com a obra de Volpi, adotando aqui um estilo incomum.

Abstrações de Ianneli, Tomie Othake e Volpi
“Sem Título” (1978) – Tomie Othake
“Sem Título” (1960) – Alfredo Volpi

Também na entrada encontramos uma Escultura com várias formas geométricas de Emanoel Araujo.

Outra obra que também chama a atenção é o quadro “Equilíbrio” (1967) de Iberê Camargo, na qual notamos um trabalho tenso na forma como as cores e os relevos da pintura se apresentam.

Vamos conhecer agora um pouco mais sobre a abordagem Paisagem dessa Exposição. Do lado direito da sala podemos notar a Representação indígena de diversas formas, primeiro através da pintura, que foi usada por muito tempo como forma de documentação,  e também através da fotografia, nessa obra tão marcante “Conselho de homens Xicrin- Kayapo” (Estado do Pará, Amazônia, 1966) captada pela lente da incrível Claudia Andujar. Reforçando, dessa maneira que todas as linguagens devem ser respeitadas e tem sua riqueza!!!

“Conselho de homens Xicrin- Kayapo (Estado do Pará, Amazônia, 1966) – Claudia Andujar

Ainda no quesito Paisagem, dentre tantas obras belíssimas se destacam  “Cavalo, Casebre e Paisagem” (1959) de Candido Portinari e “Baile no Campo” de Cícero Dias.

“Cavalo, Casebre e Paisagem” (1959) – Candido Portinari
“Baile no Campo” de Cícero Dias

Vamos percorrendo a Exposição, que foi montada de forma sinuosa para dar a ideia do movimento da arte, e nos deparamos com o artista Paulo Almeida, executando sua Pintura da série “Palimpsestos”, na qual ele vai pintando o que está ao seu redor e conforme o ambiente vai sendo modificado, sua obra se altera também, através de sobreposições. No vídeo está o momento em que ele está começando a pintar a ponte que está na outra extremidade do corredor onde está sua obra, dá sua uma olhadinha nesse privilégio de acompanhar ao vivo o trabalho do artista link do vídeo do Paulo no youtube: https://www.youtube.com/watch?v=U6OXOHdmj_8&feature=youtu.be

Ateliê do Paulo
Com o Artista Paulo Almeida

Agora seguindo para a abordagem Retrato, uma obra que merece destaque é a “Mulata na Cadeira” (1970), de Di Cavalcanti, que também está representada na forma tátil no projeto acessibilidade. Assim como a obra “Circo”(2008) de Luiz Braga.

Mulata na Cadeira e na forma tátil
“Circo”(2008) – Luiz Braga e em sua forma tátil

Outra obra que também chamou muito a minha atenção foi a “Figura”(1948) de Milton Dacosta, que me transmitiu muita doçura a serenidade no olhar…

Com a “Figura”

A Exposição ainda conta com várias outras obras, incluindo pinturas, fotografias e até esculturas como a “Tocadora de Guitarra” (1923) de Victor Brecheret, que é a obra mais antiga da mostra.

A Exposição ainda conta com uma parte interativa: um espaço multimídia no qual as obras projetadas na parede podem ser alteradas pelos gestos do visitante!

Lembrando que a Exposição ficará ee cartaz até o dia 05 de janeiro de 2020, no 24°andar do Farol Santander (Rua João Brícola, 24). Para saber mais informações é só dar uma olhadinha no site: www.farolsantander.com.br . E se quiser saber mais sobre o edifício e outras exposições que já visitei lá é só conferir o nosso link : https://cadaviagemumabagagem.com/caminhando-pelo-centro-historico-de-sao-paulo/

E com essa vista linda do 26° andar do Farol Santander, me despeço… Espero que tenha gostado dessa nossa viagem no universo das artes. Muito obrigada pela companhia e te espero na próxima postagem! Até lá!!!

Uma volta ao passado na Casa das Caldeiras

O cenário é rodeado de arranha-céus espelhados, shopping center, estádio de futebol, uma avenida movimentada e ao olhar para o lado direito, na Avenida Francisco Matarazzo, no sentido bairro, nos deparamos com uma construção em tijolinhos e três chaminés enormes, como se o fosse um recorte no tempo…

Meu convite de hoje é para juntos fazermos  “Uma volta ao passado na Casa das Caldeiras”!  Me acompanha?

Vamos embarcar nessa viagem?

Tudo começou em 1891, quando o italiano Francisco Matarazzo (que mais tarde levaria o título de Conde) chegou à cidade de São Paulo, mas já estava no Brasil há um tempo e morava em Sorocaba, onde trabalhava produzindo gordura de porco. Ao chegar na capital fundou algumas fábricas na região do Brás e da Mooca para produzir algodão e trigo. Por muito tempo, foi o único fabricante desses produtos no país. Com o crescimento da produção e necessidade de expansão da empresa, precisava de espaço, então descobriu esse terreno de mais de 100 mil m², uma área compreendida entre onde atualmente estão o Viaduto Antártica e o Viaduto Pompéia. Esse local foi escolhido, além do grande espaço, por ser próximo à linha férrea e ter a água do Rio Tietê próxima também! As novas fábricas começaram a ser construídas em 1920, por essa foto do postal dá pra você ter uma ideia desse Complexo Industrial da Casa das Caldeiras

Cartão Postal de Complexo Industrial no seu auge

Mas voltando pra atualidade, quem me acompanhou no passeio de hoje foi a minha irmã Ane e quem nos guiou nesse tour, que faz parte da Jornada do Patrimônio 2019, foi o Júnior, um excelente anfitrião que realmente nos fez mergulhar no passado, revivendo essa memória paulistana. Ah! Lembrando que na Jornada do Patrimônio 2018, visitamos o Palácio da Justiça, se você ainda não viu ou quer rever a matéria é só dar uma olhadinha nesse post: https://cadaviagemumabagagem.com/no-caminho-da-justica-visita-ao-museu-do-tribunal-e-ao-palacio-da-justica/.

Voltando a falar de história, a Casa das Caldeiras surgiu com a necessidade de gerar energia termoelétrica para todo esse complexo das Indústrias Matarazzo (também conhecidas pelas sigla IRFM- Indústrias Reunidas Francisco Matarazzo). Então foi feita um adaptação dos galpões pra viabilizar essa geração de energia. Trouxeram uma caldeira da Inglaterra e em 1923  foi construída a primeira e principal Chaminé Central, que tem mais de 30 metros de altura e você se depara logo que entra na Casa das Caldeiras.

Com a Chaminé Central

Em 1936 foi construída uma Segunda Chaminé, que também tem mais de 30 m de altura, e fica onde era a Antiga Entrada Principal da Casa das Caldeiras. Essa era a principal entrada porque ficava mais perto dos trens. Também tem uma Terceira Chaminé do outro lado e apesar de serem bem parecidas, tem algumas diferenças entre si, como o acabamento e outros detalhes, como por exemplo, a parte de cima da segunda Chaminé que foi recuperada com a restauração de 1999, mas que ficou diferente da base.

Vale lembrar que a arquitetura da Casa das Caldeiras foi sofrendo modificações ao longo do tempo e essas marcas podem ser percebidas na Antiga Entrada Principal, como a construção de um piso superior e também na Lateral da Casa, com o fechamento das janelas, entre outras alterações.

Na Entrada Antiga com o segundo piso…
Detalhe das Janelas do Primeiro Piso Fechadas com Tijolos…

Em 1937, o Conde Francisco Matarazzo faleceu, e o seu filho Francisco Matarazzo Junior assumiu a empresa e continuou crescendo, tanto que comprou 12 Locomotivas iguais a essa da foto (que foi uma das únicas a permanecer e está exposta na frente da Casa das Caldeiras e era chamada carinhosamente de Filomena) e que serviam para levar a produção das fábricas até os vagões de trem da Estação Ferroviária e cujo carregamento era feito através de Passarelas como essa.

Ane quase andando na linha…
Detalhe do Vagão de nome Filomena
Passarela que ligava a Casa das Caldeiras à linha férrea

As Indústrias Matarazzo continuaram crescendo e em 1953 receberam mais três caldeiras e Casa das Caldeiras (que era considerada a “cozinha” de todo o complexo das fábricas) foi dividida em dois pisos. Esse Salão dos Tanques era a base de máquinas e o que parece um submarino é reservatório de água e é original da época, já os tanques laranjas foram colocados depois da restauração, que aconteceu entre 1998 e 1999, após os 30 anos de abandono Casa, que começou a entrar em desuso e se deteriorar a partir de 1969.

Salão dos Tanques
Detalhe do Tanque “Submarino”

A Casa das Caldeiras foi tombada 1986 pelo CONDEPHAT pela sua importância histórica para a cidade, pois marca a transição da cultura agrária para a industrial.  E a partir da sua revitalização em 1999, passou ter uma ocupação mais cultural, que se intensificou em 2005, com a criação da Associação Cultural Casa das Caldeiras, que desenvolve projetos artísticos e culturais. Além disso, a Casa das Caldeiras também pode ser locada para eventos. Já imaginou que show sua festa ou casamento aqui? Se quiser saber mais detalhes é só dar uma conferida no site: http://www.casadascaldeiras.com.br.

Agora voltando para o nosso passeio, fomos conhecer uma Caldeira e sua Fornalha que era alimentada por lenha e depois por carvão para produzir a energia termoelétrica que iam para o Maquinário no piso superior.

Túnel onde ficava a Caldeira

Vale lembrar que aqui trabalharam cerca de 30 mil pessoas para manter toda essa estrutura funcionando e garantir a produção de energia para as fábricas. Vamos visitar agora o túnel que servia para escoar a fumaça pelas chaminés. O projeto de sua construção era italiano e ele fica na mesma altura da linha férrea e não no subsolo como se imagina. Aqui também foi possível visitar as Chaminés por baixo e ter uma ideia de sua dimensão.

Agora fomos visitar a Parte Externa da Casa das Caldeiras e foi possível perceber a mudança arquitetônica acompanhando as mudanças na indústria, como por exemplo,  as janelas do térreo foram fechadas com a construção do piso superior e o espaço aberto desse piso, onde estão as cortinas, era pra ventilação. Vale lembrar que essa parte superior servia como depósito de resíduos.

Parte Externa…
Parte Externa e o Detalhe das Cortinas…

Já que estamos falando do Piso Superior, seu Telhado era de cerâmica e com a restauração foi modificado para telha metálica, então foi feito um jateamento com espuma pra isolamento acústico por conta dos eventos e festas da Casa. Ah! A Sala Lateral desse piso era onde funcionava a sala das máquinas e onde ficam os tanques que ainda tem óleo.

Sala Lateral
Máquina da Sala Lateral
Tanques da Sala Lateral

Na parte externa da Casa das Caldeiras, podemos observar uma bonita construção em tijolinhos, que é a Casa do Eletricista, local onde ficavam as instalações pra transmitir a energia gerada nas caldeiras para as fábricas.  A Casa do Eletricista foi tombada junto com a Casa das Caldeiras em 1986 e a área verde ao lado dela tem que ter preservada servindo como descanso visual e as duas Casas (das Caldeiras e do Eletricista) devem estar conectadas. Essa casa já abrigou exposições, teatro, restaurante, e no momento está fechada para reforma, mas mesmo vendo somente sua parte externa, já dá pra perceber todo o charme de sua arquitetura.

Casa do Eletricista

Voltando a falar um pouco mais de história, as Indústrias Matarazzo produziam de tudo, tinha desde serraria, refinaria, frigorífico até a fabricação de  perfumes, enfim, era um verdadeiro império, mas começou a decair em 1969, sendo que toda a área das fábricas foi sendo vendida e demolida para a construção de grandes prédios, o que iria acontecer com a Casa das Caldeiras, se não fosse um detalhe: as chaminés. Isso mesmo, as Chaminés salvaram a Casa por serem consideradas o marco do Complexo Industrial da Água Branca, o símbolo da região, tendo assim um grande valor histórico.

As Chaminés Salvadoras!!!!

Porém, o restante  das fábricas não teve a mesma sorte… Tudo foi demolido dando origem a novos empreendimentos e como forma de compensação ambiental por esses novos imóveis, foi construída a Praça Francisco Matarazzo Junior no local onde era a fábrica de perfumes e velas.

A Beleza da Praça Francisco Matarazzo Junior
Praça Francisco Matarazzo Junior

E com esse prédio mais baixo à direita da foto, que foi construído em 2010 onde era a antiga fábrica de margarina, finalizamos esse tour de hoje com essa linda foto do grupo, feita por Nickolas Floriano. Se você gostou desse passeio e não quer esperar pela próxima Jornada do Patrimônio, pode entrar em contato pelo e-mail: contato@casadascaldeiras.com.br para fazer o agendamento de grupos para a visitação, que ocorre pelo menos duas vezes ao mês.

O Grupo do Tour!!!

Mas antes de nos despedirmos desse roteiro especial, tivemos a oportunidade de conhecer o Projeto Mantas do Brasil, que visa a preservação e proteção das Mantas (uma espécie de raia, cuja maior delas por chegar a 8m – o tamanho do domo dessa estrutura – e pesar até duas toneladas). Através de projeções nesse inflável foi possível aprender um pouco mais sobre nossa riqueza marinha e como a participação de todos para salvar nosso planeta é fundamental!!! Se você quiser saber um pouco mais sobre esse lindo trabalho é só olhar o site: www.mantasdobrasil.org.br.

Inflável do Projeto Mantas do Brasil
Projeção da Manta

Ah! Vale lembrar que a Casa das Caldeiras ainda tem Espaços Lindos para você tirar aquelas fotinhos para postar nas redes sociais!!!

Ane literalmente na Passarela

Agora sim, terminamos nosso passeio!!! Agradeço de coração sua companhia e te espero na próxima postagem!!!

Casa das Caldeiras, Muito obrigada por existir!!